Jaime Marta Soares indeferiu pedido de Assembleia Geral Extraordinária do Sporting

O líder da MAG justifica a decisão com o facto de o pedido de um grupo de associados não respeitar os estatutos

Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting, afirmou esta quarta-feira à agência Lusa ter indeferido o pedido de realização de uma reunião magna extraordinária, apresentado na semana passada por um grupo de associados afetos ao ex-presidente Bruno de Carvalho.

"Indeferi o pedido de realização de uma Assembleia Geral extraordinária porque este não respeitava os estatutos", disse Jaime Marta Soares.

Esta Assembleia Geral extraordinária tinha como objetivo permitir que fossem validadas todas as candidaturas às eleições do clube, marcadas para 8 de setembro, nomeadamente aquelas que são lideradas por Bruno de Carvalho e Carlos Vieiras, respetivamente presidente e vice-presidente do anterior Conselho Diretivo dos leões, que se encontram suspensos de sócios e estão a contas com um processo disciplinar.

As assinaturas para a convocação da reunião magna extraordinária foram entregues a Jaime Marta Soares no dia 27 de julho, dois dias após o presidente da MAG se ter recusado a recebê-las, alegando questões processuais.

Recorde-se que o Sporting está a ser liderado por uma comissão de gestão, que substituiu o Conselho Diretivo, presidido por Bruno de Carvalho, destituído em AG extraordinária realizada em 23 de junho.

Nove associados do clube já manifestaram intenção de concorrer ao ato eleitoral, agendado para 8 de setembro, mas até à data apenas Frederico Varandas, antigo diretor clínico do Sporting, formalizou a candidatura, cujo prazo de entrega de listas termina a 8 de agosto.

Desde de que o presidente da MAG convocou eleições apresentaram-se como candidatos, além Frederico Varandas, Bruno de Carvalho, Carlos Vieira, Dias Ferreira, João Benedito, José Maria Ricciardi, Fernando Tavares Pereira, Pedro Madeira Rodrigues e Zeferino Boal.

Bruno de Carvalho e Carlos Vieira, presidente e vice-presidente eleitos em março de 2017, foram suspensos preventivamente de toda a atividade no clube por uma Comissão de Fiscalização nomeada pela Mesa da Assembleia Geral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.