Jaime Marta Soares indeferiu pedido de Assembleia Geral Extraordinária do Sporting

O líder da MAG justifica a decisão com o facto de o pedido de um grupo de associados não respeitar os estatutos

Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting, afirmou esta quarta-feira à agência Lusa ter indeferido o pedido de realização de uma reunião magna extraordinária, apresentado na semana passada por um grupo de associados afetos ao ex-presidente Bruno de Carvalho.

"Indeferi o pedido de realização de uma Assembleia Geral extraordinária porque este não respeitava os estatutos", disse Jaime Marta Soares.

Esta Assembleia Geral extraordinária tinha como objetivo permitir que fossem validadas todas as candidaturas às eleições do clube, marcadas para 8 de setembro, nomeadamente aquelas que são lideradas por Bruno de Carvalho e Carlos Vieiras, respetivamente presidente e vice-presidente do anterior Conselho Diretivo dos leões, que se encontram suspensos de sócios e estão a contas com um processo disciplinar.

As assinaturas para a convocação da reunião magna extraordinária foram entregues a Jaime Marta Soares no dia 27 de julho, dois dias após o presidente da MAG se ter recusado a recebê-las, alegando questões processuais.

Recorde-se que o Sporting está a ser liderado por uma comissão de gestão, que substituiu o Conselho Diretivo, presidido por Bruno de Carvalho, destituído em AG extraordinária realizada em 23 de junho.

Nove associados do clube já manifestaram intenção de concorrer ao ato eleitoral, agendado para 8 de setembro, mas até à data apenas Frederico Varandas, antigo diretor clínico do Sporting, formalizou a candidatura, cujo prazo de entrega de listas termina a 8 de agosto.

Desde de que o presidente da MAG convocou eleições apresentaram-se como candidatos, além Frederico Varandas, Bruno de Carvalho, Carlos Vieira, Dias Ferreira, João Benedito, José Maria Ricciardi, Fernando Tavares Pereira, Pedro Madeira Rodrigues e Zeferino Boal.

Bruno de Carvalho e Carlos Vieira, presidente e vice-presidente eleitos em março de 2017, foram suspensos preventivamente de toda a atividade no clube por uma Comissão de Fiscalização nomeada pela Mesa da Assembleia Geral.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.