Presidente da FPF enaltece "forma heróica" como Sousa Cintra repôs normalidade

Fernando Gomes enalteceu esta sexta-feira o atual presidente interino da SAD do Sporting, José Sousa Cintra, pela "forma heroica" como durante o seu curto mandato conseguiu "repor a normalidade" no clube de Alvalade

"Num período difícil para pôr isto na linha (...) de uma forma heroica, difícil, conseguiu pôr a carruagem nos trilhos", comentou, na cerimónia de assinatura de um protocolo entre a FPF, a Associação de Futebol de Lisboa (AFL) e a Fundação INATEL, na qual Sousa Cintra marcou presença.

"Obviamente amanhã [sábado] será tempo para que o processo seja concluído e seja eleito um novo timoneiro do Sporting, (...) mas acima de tudo ficam estes quase três meses de trabalho, eu diria, insano no sentido de conseguir pôr nos carris um clube com a dimensão do Sporting. Depois de um passado no clube, esta disponibilidade para repor a normalidade no clube é de enaltecer e dar-lhe os parabéns pela dedicação e pelo sportinguismo", referiu Fernando Gomes.

José Sousa Cintra foi anunciado em 24 de junho pela Comissão de Gestão do Sporting como presidente da SAD do clube, depois de a maioria dos sócios do Sporting reunidos em Assembleia Geral ter votado no dia anterior a destituição do Bruno de Carvalho, que era o representante do acionista Sporting na sociedade que gere o futebol profissional dos 'leões'.

À margem da cerimónia, o ainda presidente interino do Sporting manifestou-se satisfeito por ter conseguido "por a casa em ordem em tempo recorde" e por ter contribuído para "unir o plantel" e "trazer para o Sporting os jogadores que eram importantes para enfrentar o desafio do campeonato".

"A casa está arrumada. Estamos em primeiro lugar no campeonato (...) o Sporting está cheio de vitalidade", comentou Sousa Cintra, apelando a que os derrotados nas eleições de sábado façam uma demonstração de "união da família sportinguista".

"A lista que ganhar, o presidente será o meu presidente. E todos deviam fazer a mesma coisa. A união faz a força e é importante que haja essa união porque em primeiro lugar deve estar sempre o Sporting", vincou.

Relativamente ao pedido de impugnação do ato eleitoral apresentado pelo ex-presidente do clube Bruno de Carvalho, Sousa Cintra comentou: "não vale a pena perdermos tempo com coisas sem importância e que não têm cabimento".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."