Sporting exige indemnização de 45 milhões de euros a Rafael Leão, ao empresário e ao Lille

SAD dos leões lamenta o comportamento do clube francês, do empresário e do pai do jogador em todo este processo.

A SAD do Sporting anunciou nesta quinta-feira, através de um comunicado, que vai avançar com uma queixa na FIFA na sequência da contratação de Rafael Leão por parte dos franceses do Lille - o jovem tinha sido um dos jogadores que rescindiram contrato com justa causa na sequência do ataque à Academia de Alcochete.

Em comunicado, a SAD do Sporting diz ter decidido avançar com esta participação ao organismo que rege o futebol mundial, "com pedido indemnizatório, ao atleta e ao clube, correspondente à cláusula de rescisão de 45 milhões de euros, acrescidos de vencimentos e outros encargos, e o pedido de aplicação de sanções desportivas a ambos".

No mesmo comunicado, a SAD presidida por Sousa Cintra refere ter decidido por unanimidade avançar com esta queixa na FIFA devido "ao inaceitável comportamento" do Lille, do agente de Rafael Leão e do pai do avançado. "Participar da falta de ética profissional do referido agente junto da Associação Nacional de Agentes de Futebol (ANAF) e da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), por recusar inexplicável e irresponsavelmente qualquer contacto para uma negociação séria com a Sporting SAD, apesar de reiteradamente solicitado para tal", diz a nota, que lamenta ainda que "o pai do atleta tenha igualmente contribuído para pôr em risco o futuro desportivo do atleta pela idêntica e inaceitável recusa de um diálogo substancial e construtivo".

Rafael Leão foi oficialmente apresentado como reforço do Lille, da I Liga francesa, na quarta-feira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?