Sp. Braga estraga jogo de apresentação ao Desp. Chaves

Um golo do médio Ryller, aos 90 minutos, permitiu esta quinta-feira aos bracarenses venceros flavienses por 1-0, no jogo de apresentação dos transmontanos de 2018/19.

Os flavienses, este ano orientados por Daniel Ramos, apresentaram-se aos sócios com seis reforços no onze inicial e entraram melhor no desafio, quando, logo aos três minutos, Avto, a passe de João Teixeira, ficou perto do golo, com um remate às malhas laterais.

A primeira parte foi dividida, sem que nenhumas das equipas se superiorizasse, e o Sporting de Braga, que apresentou quatro reforços de início, apostou numa primeira fase nos ataques pelo lado esquerdo do terreno, com o lateral Esgaio e o ala Fábio Martins em destaque.

O emblema transmontano alterou por completo o onze para a segunda parte, enquanto o Sporting de Braga, orientado por Abel Ferreira, começou a mexer na equipa apenas a partir dos 70 minutos, efetuando quatro substituições.

O clube minhoto assumiu o desafio, com um futebol em posse que lhe permitiu ter algumas situações para marcar, mas Fábio Martins, servido duas vezes por Murilo, aos 49 e 70 minutos, não conseguiu a finalização.

No lado dos transmontanos o lateral-esquerdo Djavan esteve em evidência, procurando desequilibrar no ataque, mas foi Bruno Gallo a ficar perto de marcar, aos 87 minutos, com um remate à entrada da área, que Tiago Sá defendeu para canto.

O momento do jogo aconteceu aos 90 minutos, numa jogada de insistência de Esgaio, que evitou a perda de bola pela direita e combinou com Fransérgio, tendo este cruzado para a finalização de cabeça de Ryller, lançado na etapa complementar, e que decidiu a partida.

O encontro serviu de derradeiro teste para o Desportivo de Chaves, antes do primeiro jogo oficial da época, no próximo domingo, na deslocação a casa do Arouca, do segundo escalão, para a segunda eliminatória da Taça da Liga.

Após o oitavo jogo de pré-temporada, o Sporting de Braga volta a jogar na sexta-feira, às 20.30, frente ao Celta de Vigo, equipa da primeira divisão de Espanha.

Ficha de jogo

Jogo no Estádio Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira, em Chaves

Desportivo de Chaves -- Sporting de Braga, 0-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcador:

0-1, Ryller, 90 minutos.

Equipas:

- Desportivo de Chaves: António Filipe, Brigues, Maras, Marcão, Luís Martins, Filipe Melo, Stephen Eustáquio, João Teixeira, Avto, Ghazaryan e William.

Jogaram ainda: Ricardo, Paulinho, Hugo Basto, Nuno André Coelho, Jefferson, Perdigão, Bressan, Bruno Gallo, Djavan, Mika, Platiny, João Paulo e David Moura.

Treinador: Daniel Ramos.

- Sporting de Braga: Tiago Sá, Marcelo Goiano, Bruno Viana, Pablo, Esgaio, Fransérgio, Eduardo, João Novais, Murilo, Fábio Martins e Dyego Sousa.

Jogaram ainda: Luther, Xadas, Wilson Eduardo e Ryller.

Treinador: Abel Ferreira.

Árbitro: Mauro Henriques (AF Vila Real).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Marcelo Goiano (72).

Assistência: cerca de 1.500 espetadores

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.