Sporting comunica falhanço na contratação de Clinton N'Jié

Os leões revelam que não houve acordo com o Marselha para o empréstimo

A Sporting SAD emitiu esta quarta-feira um comunicado a informar que o avançado camaronês Clinton N'Jié não irá representar o clube, apesar de ter estado em Lisboa a fazer exames médicos.

Os leões garantem que tudo teve a ver com a falta de acordo com o Olympique Marselha "relativamente aos termos do contrato para o empréstimo" do atleta até final da temporada.

Este esclarecimento surge numa altura em que havia informações de que N'Jié tinha chumbado nos exames médicos, razão pela qual não iria reforçar a equipa treinada por José Peseiro.

Neste sentido, os leões vão continuar à procura de mais um avançado, tal como Sousa Cintra, presidente da SAD, adiantou nesta terça-feira na apresentação do maliano Abdulay Diaby. Os leões estão ainda no mercado por um médio, sendo que o internacional sérvio Nemanja Gudelj é o alvo definido pela SAD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?