Bruno de Carvalho entrega terça ou quarta-feira petição para Assembleia Geral

O requerimento para ser convocada uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) que retire a suspensão preventiva de Bruno de Carvalho vai dar entrada na terça ou quarta-feira nos serviços do Sporting.

"Os sportinguistas querem paz e fazer ouvir a sua voz. Vamos entregar o pedido amanhã [terça-feira] ou depois de amanhã [quarta-feira] no clube. Queremos que os sportinguistas possam pronunciar-se sobre estes processos ou sobre uma hipotética decisão [da comissão de fiscalização] que possa, entretanto, ser conhecida", disse o ex-presidente do Sporting, assegurando que será feito um aviso prévio aos serviços do clube da deslocação a Alvalade para aquele efeito.

Nesse requerimento, é pedido a Jaime Marta Soares que a AGE seja marcada e realizada impreterivelmente antes de 08 de agosto, cujo objeto é o de "viabilizar a candidatura dos sócios Bruno de Carvalho, Alexandre Gaspar Godinho e Bernardo Trindade Barros às eleições de 08 de setembro, acomodando em qualquer caso qualquer procedimento disciplinar em curso contra os sócios referidos e bem assim qualquer eventual decisão sancionatória aí tomadas".

Os subscritores da petição apresentarão as assinaturas necessárias de sócios que perfaçam um mínimo de 1.000 votos, o que não corresponde necessariamente a 1.000 assinaturas ou a 1.000 sócios, pois o Sporting tem diversas categorias de sóciosm, que, por sua vez, têm número diferente de votos.

No requerimento, solicitam ainda que a AGE seja realizada em moldes idênticos à AGE destitutiva do passado dia 23 de junho, mantendo o sigilo dos subscritores, não exigindo a estes que seja depositado na secretaria do clube o valor para cobrir as despesas, sendo o Sporting a suportá-las, conforme sucedeu na reunião magna que destituiu os atuais órgãos sociais.

Os mesmos indicam desde já o pavilhão João Rocha, em conjunto com o Edifício Multidesportivo, para a realização da AGE, ou outra solução, mas sempre visando o efeito útil e em tempo do presente requerimento, sob pena de se verificar inadmissível discriminação "que não se aceitará".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.