Sporting ainda pensa em Fábio Coentrão

É verdade que os leões têm três laterais esquerdos, mas também é verdade que o internacional português não conta para o Real Madrid de Lopetegui. A paciência é a melhor arma para Sousa Cintra...

Fábio Coentrão ainda pode continuar no Sporting. Conforme o DN apurou, Sousa Cintra não abandonou a ideia deixada em aberto por Bruno de Carvalho e já manteve algumas conversas com o futebolista.

O plano não é de fácil execução, porque o Real Madrid quer vender Coentrão e recuperar parte dos 30 milhões investidos no esquerdino em 2011 quando o contratou ao Benfica. Inclusivamente, a imprensa espanhola assegura que os merengues pediram a Jorge Mendes, agente de Coentrão, para encontrar um clube interessado na compra definitiva disposto a deixar alguns milhões de euros no Bernabéu.

Esta urgência deve-se ao facto de Fábio Coentrão ter entrado no último ano de contrato, ou seja, dentro de seis meses é um jogador livre para se vincular a outro emblema com efeitos a partir de 1 de julho de 2019.

É neste timing que o Sporting aposta, pois sabe que se o jogador recusar outras ofertas o Real Madrid não terá outra hipótese senão aceitar o empréstimo de modo que Coentrão não ocupe uma das 25 inscrições para os futebolistas seniores.

Para isso o Sporting terá de melhorar as relações com Jorge Mendes, visto que os últimos contactos têm sido quase nulos, pois Rui Patrício e Podence saíram, com a intermediação do agente, e o Sporting ainda não recebeu qualquer verba. E com Gelson e o Atlético de Madrid o assunto é sensivelmente idêntico, embora Mendes não seja o empresário de Gelson.

O último dado a complicar tem que ver com Lumor, Jefferson e Jonathan Silva, os três jogadores que o Sporting tem para o lado esquerdo da defesa, para não falar em Acuña. Ainda assim, o DN sabe que Fábio Coentrão continua a ser desejado em Alvalade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.