Sporting à espera de cinco resultados para saber se é cabeça de série

Resultados desta quinta-feira de Sevilha, Zenit, Basileia, Besiktas e Olympiacos no playoff vão determinar se o Sporting vai para o pote 1 ou 2 da fase de grupos da Liga Europa

A um dia de conhecer o resultado do sorteio da fase de grupos da Liga Europa, o Sporting ainda não sabe se vai ser um dos 12 cabeças de série e assim evitar tubarões como Arsenal e Chelsea ou se vai para o pote 2.

Entre as equipas já garantidas na próxima fase da Liga Europa, os leões são os nonos melhores classificados no ranking da UEFA (coeficiente de 40.000), mas poderão acabar esta quinta-feira como a 14.ª equipa da hierarquia entre as que vão disputar a competição secundária do velho continente.

O emblema de Alvalade está dependente do desfecho de cinco duelos do playoff que se decide esta quinta-feira, precisando que, entre Sevilha, Zenit, Basileia, Besiktas e Olympiacos, pelo menos dois fiquem de fora da próxima fase.

À partida para a segunda mão, porém, essas cinco equipas estão em vantagem na eliminatória. Os espanhóis do Sevilha defendem em casa uma vantagem de 1-0 obtida na República Checa diante do Sigma Olomouc, os russos do Zenit vão à Suécia defrontar o Molde depois de terem vencido por 3-1 em São Petersburgo, os suíços do Basileia deslocam-se ao terreno dos cipriotas do Apollon Limassol a ganhar por 3-2 e os turcos do Besiktas recebem os sérvios do Partizan após um empate a um golo em Belgrado.

Garantidos no pote 1:

Arsenal (93.000)

Chelsea (82.000)

Bayer Leverkusen (66.000)

Dínamo Kiev (62.000)

RB Salzburgo (55.000)

Villarreal (52.000)

Anderlecht (48.000)

No pote 1 em caso de participação na fase de grupos da Liga Europa:

Sevilha (113.000)

Zenit (78.000)

Basileia (71.000)

Besiktas (57.000)

Olympiacos (54.000)

À espera do desfecho de eliminatórias para saber se entram no pote 1 ou no pote 2:

Lazio (41.000)

Sporting (40.000)

Marselha (32.000)

PAOK (29.500)

AC Milan (28.000)

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.