Sousa Cintra encantado com Diaby: "É um jogador que dá espetáculo"

O presidente da SAD do Sporting garante que o avançado maliano "é o jogador mais rápido do futebol português"

Abdoulay Diaby foi apresentado nesta terça-feira em Alvalade como reforço do Sporting para as próximas quatro temporadas. Foi uma cerimónia em que se destacou o entusiasmo de Sousa Cintra, presidente da SAD leonina, em relação ao internacional maliano de 27 anos, que chega do Brugge.

"Os sportinguistas vão gostar muito do nosso craque. É o jogador mais rápido do futebol português, eu pelo menos não conheço outro. Além disso, está habituado a ser campeão, o que é importante para o Sporting, e vai dar mais profundidade ao ataque", assumiu Sousa Cintra, acreditando que "fará uma boa dupla com o Bas Dost".

"Além de ser avançado, joga também nas duas alas, o que é importante para o nosso treinador. É daqueles jogadores que dão espetáculo", frisou o presidente da SAD do Sporting perante o sorriso de Diaby, que, em francês, revelou a sua reação quando lhe foi posta a hipótese de se mudar para Alvalade: "Não hesitei em dizer sim, pois o Sporting é um bom clube."

Diaby disse conhecer bem o futebol português, onde há "grandes clubes como o Sporting, FC Porto, Benfica e Sp, Braga, que estão sempre presentes nas provas europeias".

Questionado sobre a concorrência de Bas Dost no ataque, Diaby explicou que é "diferente" do holandês. "Vi o que ele fez na época passada, mas acho que nos podemos complementar. Eu sei que os golos são importantes, mas sei fazer outras coisas pela equipa, não tenho pressão para fazer golos", acrescentou, já depois de confirmar que o defesa francês Mathieu "falou muito bem do clube e disse para vir".

Sousa Cintra admitiu entretanto que Diaby "provavelmente não poderá jogar com o Benfica porque tem de se preparar um pouco melhor", mas deixou desde logo a garantia de que o Sporting vai à Luz "com muito entusiasmo". "É pena não estarmos mais avançados na preparação para irmos à Luz, mas vamos lá para ganhar. Se não for possível ganhar, pelo menos que consigamos um empate", frisou.

Sobre a possibilidade de chegarem mais jogadores para o plantel de José Peseiro, Sousa Cintra revelou que a equipa precisa de "mais dois reforços". E nesse sentido confirmou a chegada de Clinton N'Jié, emprestado pelo Marselha, que "está a fazer exames médicos, mas só quando estiver tudo assinado é que ele será anunciado".

Além de N'Jié, Sousa Cintra confirmou que a equipa precisa "de um jogador forte para o meio-campo, para substituir William Carvalho". No entanto deixou claro que "tem de ser uma mais-valia".

Quanto a saídas, o líder da SAD leonina admitiu que "vão sair jogadores que o treinador não conta com eles" e para os quais "é preciso encontrar soluções", acrescentando que o italiano Stefano Sturaro, médio emprestado pela Juventus, "não vinha em boas condições físicas", razão pela qual foi recuperar em Turim, mas deixou a certeza de que "não há a certeza de quando vai demorar a recuperação". Assim sendo, "quando estiver bem regressará ao Sporting".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.