Sousa Cintra e os empresários dos jogadores: "Complicam a vida ao clube"

Presidente interino da SAD esteve na conferência Sporting Talks, esta quarta-feira, e recusou uma candidatura à presidência, nas eleições de dia 8 de setembro.

Os empresários são "um dos maiores entraves" para o Sporting conseguir o regresso de Bas Dost e Battaglia. Esta foi uma das conclusões da intervenção de Sousa Cintra na conferência "Sporting Talks", esta quarta-feira.

O presidente da SAD queixou-se de que os empresários dos jogadores "complicam a vida ao clube" e que, apesar da relação prejudicial, "os clubes estão presos a essa gente sem escrúpulos". Críticas até agora nunca proferidas pelo ex-presidente do clube.

"Já ando nisto há muito tempo. Era complicado, mas agora é complicado com requinte. Bem sei as dificuldades que estou a ter para arrumar a casa. Não podem imaginar: discutir assuntos às 2.00, 3.00 da manhã, quando há assuntos que se podiam resolver em 10 minutos", lamentou, garantindo que vai resolver tudo "sem entrar em loucura".

Os casos mais urgentes são os de Bas Dost e Battaglia, jogadores que rescindiram contrato de forma unilateral mas podem regressar: "O caminho faz-se caminhando. As coisas vão resolver-se. Tudo se vai resolver. Defendo os interesses do Sporting, não gosto de fantasias e lirismos. Gosto de coisas concretas, de forma a que o Sporting possa honrar os seus compromissos. É esse o meu trabalho. As coisas vão chegar a bom termo."

Falta ainda saber como fica o caso da rescisão de Rafael Leão e de Gelson Martins, depois das saídas de Rui Patrício (Wolves) e William 8Béstis) e o regresso de Bruno Fernandes a Alvalade. Até agora, o médio, eleito o melhor jogador do campeonato na época 2017/18, foi o único a voltar dos nove que rescindiram com justa causa, após a invasão da Academia, em Alcochete, que terminou com agressões a jogadores e treinadores.

Silêncio sobre Slimani

Slimani tem sido apontado a Alvalade para o lugar de Bas Dost, caso o holandês não regresse, mas Sousa Cintra preferiu ser cauteloso sobre o argelino. "O Sporting olha sempre para os bons jogadores", atirou o presidente da SAD, garantindo que fará um esforço por "reforços com qualidade".

Sousa Cintra diz não a uma candidatura

O presidente interino da SAD leonina revelou ainda que não se vai candidatar à presidência do Sporting. "A minha missão é até setembro, mas quero pedir aos candidatos que prestigiem o Sporting. Estas guerras na praça pública não são benéficas para ninguém. Não sou candidato, não faço parte de nenhuma lista nem vou apoiar nenhuma lista. Mas estou disponível para esclarecer todos os candidatos", salientou Sousa Cintra.

O dirigente acredita que sairá do Sporting depois de recolocar o clube "no bom caminho": "Enquanto cá estiver, farei tudo para que haja harmonia. Façam uma campanha bonita, agradável. Ultimamente, baixámos a nossa grandeza e é por isso que estou aqui. Nunca na história um presidente foi destituído. A união tem de ser honesta e saudável. Passado é passado, mas vamos voltar ao grande Sporting. Que os candidatos que não entendem tão bem o futebol passem a entender, também com estas reuniões."

Sousa Cintra prometeu ainda manter os leões no caminho dos títulos. "O Sporting vai lutar pelo primeiro lugar. Sinto que vamos ser campeões. Estamos a formar uma equipa poderosíssima. Tem sido uma guerra, mas as notícias estão para breve", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.