Situação financeira do Sporting "está controlada"

Afirmações do presidente da Comissão de Gestão, Torres Pereira, sem pejo em desmentir José Maria Ricciardi. E esclarece que o Sporting deve menos a fornecedores que os rivais

Não está a ser fácil o final de campanha de José Maria Ricciardi. Depois de ter sido desmentido por Rui Patrício e Adrien, os dois capitães mais significativos dos últimos anos, pela NOS, o principal patrocinador do Sporting, chegou agora a vez de a Comissão de Gestão criticar o banqueiro, deixando uma garantia.

"A situação financeira está longe de ser alarmante, pois está controlada a nível financeiro, administrativo e humano. As afirmações do Dr. José Maria Ricciardi são falsas. Acho lamentável que quando os rivais diretos têm uma situação difícil a nível judicial estejamos a dar tiros a nós próprios. O relatório e contas da SAD vai ser encerrado na sexta-feira e não devo revelar dados financeiros e económicos da sociedade. Acho curioso que há associados que ficam contentes em expor as dificuldades, mas o mais grave é que nem o clube nem a SAD têm um défice de tesouraria de 123 M€. Quem diz isso é mentiroso e ignorante. Só revela um grande desconhecimento da realidade e não sei qual é o objetivo. O Sporting deve a fornecedores? Deve, mas menos que os rivais", referiu.

Torres Pereira, que vai cessar funções este sábado, enalteceu três aquisições e até já pensa no título: "Gudelj, Diaby e Sturaro são mais-valias e vão mostrar o que valem quando estiverem devidamente integrados. Temos equipa para sermos campeões nacionais. Não sei o clube está melhor do que antes da nossa chegada, mas pior não está seguramente. Tanto as equipas de futebol como as das modalidades estão prontas para continuar a dar alegrias aos sportinguistas."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).