Síndrome de Down. Portugueses perdem 2.º jogo com campeões do mundo de futsal, mas seguem líderes

Portugal entrou a vencer no Campeonato da Europa para jogadores com Síndrome de Down e derrotou logo a anfitriã e campeã mundial Itália, por 5-3. No segundo jogo venceu a Turquia (3-2) e no terceiro, também frente aos italianos, perderam por 4-3

A selecção portuguesa de futsal de síndrome de Down está bem lançada no objetivo de ser campeã europeia. Depois de entrar a vencer no Campeonato Europeu FIFDS (Federação Internacional de Futebol para Síndrome de Down) a Itália, equipa anfitriã e campeã do mundo na modalidade, por 5-3, os portugueses venceram o segundo jogo, já esta quarta-feira, com a Turquia (3-2).

Seguiu-se um novo jogo com Itália, mas desta vez o resultado não foi positivo. Portugal perdeu por um golo (4-3) e entra agora de novo em campo com a Turquia.

De acordo com a Associação Nacional de Desporto para Pessoas com Deficiência Intelectual, Portugal medirá ainda forças com a congénere da Turquia (18:00) uma segunda vez.

A selecção portuguesa de futsal de síndrome de Down é composta por dez jogadores, com idades entre os 23 e os 44 anos. A saber: O capitão Nelson Silva (Cercigui, Guimarães), Carlos Lobo (CAID de Santo Tirso), Helder Ornelas (Clube Desportivo "Os Especiais", da Madeira), Paulo Lino (Cerciag, Águeda), Norberto Santos (Cercimira), Luís Gonçalves (Clube Cercifaf), Tiago Castro (Clube Gaia), César Morais e Daniel Maia (F.C. Porto), Ricardo Pires (Mapadi, Póvoa de Varzim) e o suplente Rui Sousa (APPACDM de Coimbra e Montemor-o-Velho).

Esta é a primeira edição do campeonato europeu e conta com a participação de Portugal, que lidera o grupo para já. A final está marcada para quinta-feira, 15 de novembro, na cidade italiana de Terni.

(em atualização)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.