Simon Yates vence ao 'sprint', Rui Costa foi oitavo

Português da UAE-Emirates, que chegou a estar em fuga, concluiu na oitava posição, com o mesmo tempo do quarto, a 1.28 minutos do vencedor da etapa.

O britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott) venceu hoje ao sprint a 12.ª etapa da Volta a França em bicicleta, após a qual o francês Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep) manteve a camisola amarela.

Simon cumpriu os 209,05 quilómetros que ligaram Toulouse a Bagnères-de-Bigorre, com três contagens de montanha, duas de primeira categoria, já na segunda metade da tirada, em 4:57.53 horas, batendo ao sprint o espanhol Pello Bilbao (Astana) e o austríaco Gregor Muhlberger (BORA-hansgrohe).

Rui Costa (UAE-Emirates), que chegou a estar em fuga, concluiu na oitava posição, com o mesmo tempo do quarto, a 1.28 minutos do vencedor da etapa.

Julian Alaphilippe manteve a camisola amarela, com 1.12 minutos de vantagem sobre o britânico Geraint Thomas e 1.16 sobre o colombiano Egan Bernal, ambos da INEOS, após terem chegado integrados no pelotão, a 9.35 dos primeiros.

Na sexta-feira, o pelotão vai disputar o contrarrelógio individual de 27,2 quilómetros com início e fim em Pau.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.