Novo menino bonito da Luz deixa leão menos feliz

Ex-júnior João Félix saltou do banco para empatar para o Benfica à beira do fim, após penálti de Nani ter dado vantagem ao Sporting

Terminou empatado (1-1) o primeiro dérbi da temporada. O Sporting esteve a ganhar, mas era o Benfica que jogava em casa, pelo que terá sabido a pouco aos dois rivais o solitário ponto que amealharam este sábado.

Se Rui Vitória apresentou o onze esperado - lançando apenas Rafa por troca com Zivkovic em relação aos titulares do duelo de terça-feira ante o PAOK -, José Peseiro foi obrigado a mudar de ponta de lança, em virtude da lesão de Bas Dost, e também a forma de alimentar o seu substituto, Montero: Acuña, geralmente encarregado de servir o holandês com cruzamentos a partir da esquerda, jogou no miolo; a surpresa Raphinha atuou no lado direito, de forma a promover tabelas com o colombiano - tal como Nani pela esquerda.

Embora o 4x3x3 encarnado e o 4x2x3x1 verde e branco sugerissem um encaixe tático perfeito, prevaleceu a tentativa de ambos os rivais em anular o ataque adversário zonalmente, sem preocupações excessivas em acompanhar individualmente os maestros de cada equipa, Pizzi e Bruno Fernandes.

Perante este quadro, Benfica e Sporting demoraram quase quinze minutos a assentar o jogo. Já Rúben Dias tinha obrigado Salin a aplicar-se e Montero tinha assustado Vlachodimos (ambos aos seis minutos), quando a equipa da casa assumiu uma postura mais dominadora e conseguiu engendrar jogadas com pés e cabeça e criar situações de perigo. Essa fase durou cerca de um quarto de hora. Depois, os leões encontraram o antídoto para estancar os ataques contrários, evitar sobressaltos para a sua baliza e levar o nulo para intervalo.

Penálti adianta leão e uma estreia de sonho

O Benfica reentrou melhor, com grande dinâmica, mas o Sporting voltou a ser capaz de estancar o ataque rival. Só que desta feita, os homens de José Peseiro tiveram direito a bónus: uma grande penalidade e o golo inaugural. Luís Godinho hesitou, mas assinalou falta de Rúben Dias sobre Montero que o VAR confirmou, cabendo a Nani a missão de enganar Vlachodimos (64').

Rui Vitória espera alguns minutos, mas acaba por reagir, fazendo entrar João Félix e Seferovic de uma assentada, para os lugares de Pizzi e Ferreyra. Nas bancadas, os benfiquistas dividiam-se: uns levavam as mãos à cabeça, incrédulos com as opções; outros aplaudiam os jogadores.

Certo é que as alterações surtiram efeitos. Só deu Benfica até ao fim, sempre com João Félix e e Zivkovic sempre muito interventivos. Acabou por ser o ex-júnior e novo menino bonito da Luz a virar protagonista, ao empatar a partida aos 86 minutos, de cabeça, na resposta a um cruzamento de Rafa.

---

Ficha de jogo

Jogo realizado no Estádio da Luz, em Lisboa.

Benfica - Sporting, 1-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

0-1, Nani, 64 minutos (grande penalidade).

1-1, João Félix, 86.

Equipas:

- Benfica: Odysseas, André Almeida, Rúben Dias, Jardel, Grimaldo, Fejsa, Pizzi (João Félix, 71), Gedson Fernandes, Rafa, Cervi (Zivkovic, 58) e Ferreyra (Seferovic, 71).

(Suplentes: Svillar, Conti, Seferovic, Alfa Semedo, Zivkovic, Samaris e João Félix).

Treinador: Rui Vitória.

- Sporting: Salin, Coates, Ristovski, André Pinto, Jefferson, Battaglia, Bruno Fernandes (Petrovic, 79), Acuña, Nani, Raphinha (Bruno Gaspar, 90+3) e Montero (Castaignos, 90+8).

(Suplentes: Renan Ribeiro, Matheus Pereira, Petrovic, Castaignos, Wendel, Bruno Gaspar e Jovane Cabral).

Treinador: José Peseiro.

Árbitro: Luís Godinho (AF Évora).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Ristovski (24), Ferreyra (44), Rúben Dias (62), Zivkovic (83), Petrovic (87), Grimaldo (90+1), Salin (90+4), Battaglia (90+6) e Coates (90+7).

Assistência: 60.486 espetadores.

--

Figura: João Félix (Benfica).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.