Novo menino bonito da Luz deixa leão menos feliz

Ex-júnior João Félix saltou do banco para empatar para o Benfica à beira do fim, após penálti de Nani ter dado vantagem ao Sporting

Terminou empatado (1-1) o primeiro dérbi da temporada. O Sporting esteve a ganhar, mas era o Benfica que jogava em casa, pelo que terá sabido a pouco aos dois rivais o solitário ponto que amealharam este sábado.

Se Rui Vitória apresentou o onze esperado - lançando apenas Rafa por troca com Zivkovic em relação aos titulares do duelo de terça-feira ante o PAOK -, José Peseiro foi obrigado a mudar de ponta de lança, em virtude da lesão de Bas Dost, e também a forma de alimentar o seu substituto, Montero: Acuña, geralmente encarregado de servir o holandês com cruzamentos a partir da esquerda, jogou no miolo; a surpresa Raphinha atuou no lado direito, de forma a promover tabelas com o colombiano - tal como Nani pela esquerda.

Embora o 4x3x3 encarnado e o 4x2x3x1 verde e branco sugerissem um encaixe tático perfeito, prevaleceu a tentativa de ambos os rivais em anular o ataque adversário zonalmente, sem preocupações excessivas em acompanhar individualmente os maestros de cada equipa, Pizzi e Bruno Fernandes.

Perante este quadro, Benfica e Sporting demoraram quase quinze minutos a assentar o jogo. Já Rúben Dias tinha obrigado Salin a aplicar-se e Montero tinha assustado Vlachodimos (ambos aos seis minutos), quando a equipa da casa assumiu uma postura mais dominadora e conseguiu engendrar jogadas com pés e cabeça e criar situações de perigo. Essa fase durou cerca de um quarto de hora. Depois, os leões encontraram o antídoto para estancar os ataques contrários, evitar sobressaltos para a sua baliza e levar o nulo para intervalo.

Penálti adianta leão e uma estreia de sonho

O Benfica reentrou melhor, com grande dinâmica, mas o Sporting voltou a ser capaz de estancar o ataque rival. Só que desta feita, os homens de José Peseiro tiveram direito a bónus: uma grande penalidade e o golo inaugural. Luís Godinho hesitou, mas assinalou falta de Rúben Dias sobre Montero que o VAR confirmou, cabendo a Nani a missão de enganar Vlachodimos (64').

Rui Vitória espera alguns minutos, mas acaba por reagir, fazendo entrar João Félix e Seferovic de uma assentada, para os lugares de Pizzi e Ferreyra. Nas bancadas, os benfiquistas dividiam-se: uns levavam as mãos à cabeça, incrédulos com as opções; outros aplaudiam os jogadores.

Certo é que as alterações surtiram efeitos. Só deu Benfica até ao fim, sempre com João Félix e e Zivkovic sempre muito interventivos. Acabou por ser o ex-júnior e novo menino bonito da Luz a virar protagonista, ao empatar a partida aos 86 minutos, de cabeça, na resposta a um cruzamento de Rafa.

---

Ficha de jogo

Jogo realizado no Estádio da Luz, em Lisboa.

Benfica - Sporting, 1-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

0-1, Nani, 64 minutos (grande penalidade).

1-1, João Félix, 86.

Equipas:

- Benfica: Odysseas, André Almeida, Rúben Dias, Jardel, Grimaldo, Fejsa, Pizzi (João Félix, 71), Gedson Fernandes, Rafa, Cervi (Zivkovic, 58) e Ferreyra (Seferovic, 71).

(Suplentes: Svillar, Conti, Seferovic, Alfa Semedo, Zivkovic, Samaris e João Félix).

Treinador: Rui Vitória.

- Sporting: Salin, Coates, Ristovski, André Pinto, Jefferson, Battaglia, Bruno Fernandes (Petrovic, 79), Acuña, Nani, Raphinha (Bruno Gaspar, 90+3) e Montero (Castaignos, 90+8).

(Suplentes: Renan Ribeiro, Matheus Pereira, Petrovic, Castaignos, Wendel, Bruno Gaspar e Jovane Cabral).

Treinador: José Peseiro.

Árbitro: Luís Godinho (AF Évora).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Ristovski (24), Ferreyra (44), Rúben Dias (62), Zivkovic (83), Petrovic (87), Grimaldo (90+1), Salin (90+4), Battaglia (90+6) e Coates (90+7).

Assistência: 60.486 espetadores.

--

Figura: João Félix (Benfica).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.