Croácia faz história e vai jogar a final com a França

Talentosa geração croata, com Modric e Rakitic, consegue reviravolta frente a Inglaterra (2-1) com Mandzukic a fazer o golo decisivo no prolongamento

Os ingleses andavam eufóricos com a campanha da sua seleção, cantavam "It's coming home" por todo o lado - resgatando a música feita para celebrar o regresso de uma grande competição de futebol a Inglaterra na altura do Euro96 - e em apenas cinco minutos viram Trippier, o Beckham de Bury, fazer curvar a bola tão bem ou melhor do que o homem que lhe valeu a alcunha, num livre irrepreensível.

Mas a Croácia já tinha mostrado que trabalho extra não é problema para a talentosa geração comandada por Modric e Rakitic e, pela terceira vez consecutiva, recuperou uma desvantagem, forçou o prolongamento e saiu vitoriosa após 120 minutos (desta vez sem desempate por penaltis), assegurando a primeira final da história deste país que se tornou independente da antiga Jugoslávia em 1991, há 27 anos.

Perisic igualou para a Croácia aos 68 minutos e a seleção de Zlatko Dalic acordou finalmente para o jogo, passando a dominar os ingleses, que tinham estado bem melhor durante a primeira metade. No prolongamento, Mandzukic decidiu a meia-final, aproveitando um ping-pong entre a defesa britânica e o ataque croata: a bola sobrou da cabeça de Perisic e o avançado da Juventus foi mais rápido do que o central Stones a reagir, fazendo o 2-1 aos 109 minutos.

Nesta jovem vida da nação croata, já uma outra geração dourada tinha deixado a seleção de futebol às portas da história, em 1998, quando Suker, Prosinecki, Boban, Jarni e companhia, liderados desde o banco por Miroslav Blazevic, chegou às meias-finais do Mundial em França, perdendo apenas para a seleção da casa, que haveria de se sagrar campeã.

Agora, no próximo domingo, a Croácia de Modric, Rakitic, Perisic e Mandzukic terá oportunidade para vingar essa meia-final e conquistar o primeiro troféu internacional de seleções para o país dos Balcãs, já que o adversário nesta primeira final de um Mundial para os croatas é precisamente a França, treinada por Deschamps, um dos jogadores daquela geração gaulesa de 98.

A Croácia terá, no entanto, um handicap a anular: com três prolongamentos consecutivos desde os oitavos de final, já jogou mais um jogo inteiro (90 minutos) do que a França nesta fase a eliminar. E, além disso, os franceses - que bateram a Bélgica na terça-feira - têm um dia e 30 minutos mais de repouso entre a meia-final e a final.

Para os ingleses, que voltaram a uma meia-final pela primeira vez desde 1990, ainda não é desta que a taça de campeão do mundo regressará ao país que se orgulhosa de ser a casa do futebol moderno. O Mundial de 1966 continua a ser uma memória irrepetível para a Inglaterra.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.