Contra-ataque no último minuto completa reviravolta belga

Japão marcou dois golos no início da segunda parte, mas viu os belgas darem a volta ao marcador nos últimos 25 minutos e marcarem duelo com o Brasil nos quartos-de-final.

A Bélgica superou um grande susto para confirmar o favoritismo perante o Japão (3-2) e seguir em frente neste Mundial.

Depois de uma primeira parte que terminou em branco, o jogo teve uma "louca" segunda metade, com cinco golos e uma reviravolta épica.

A seleção nipónica abriu uma vantagem de dois golos no início dos segundos 45 minutos, com golos de Haraguchi (48') e Inui (excelente remate de meia distância, aos 52'). Assumindo o "risco" de um futebol ofensivo e o gosto por ter a bola, a seleção japonesa expôs várias vezes a defensiva belga e parecia encaminhada para o seu primeiro apuramento para os quartos-de-final de um campeonato do mundo. Mas um golo feliz de Vertonghen tudo mudou.

O defesa da Bélgica reduziu aos 69', ao tentar cruzar de cabeça na área japonesa, com a trajetória a surpreender o guarda-redes Kawashima. E, num esfregar de olhos, a vantagem da seleção asiática dissipou-se, com Fellaini a empatar quase de seguida, aos 74', respondendo de cabeça a um cruzamento de Hazard (eleito o homem do jogo). Quando o jogo estava já a anunciar prolongamento, aos 90+4, um canto a favor do Japão resultou no terceiro golo belga, em contra-ataque, com Chadli a castigar o entusiasmo japonês.

Uma reviravolta histórica para a Bélgica, já que nenhuma seleção conseguia dar a volta a dois ou mais golos de desvantagem num jogo a eliminar do campeonato do mundo, dentro dos 90 minutos, desde o Portugal-Coreia do Norte de 1966 (que Portugal esteve a perder por 0-3 e venceu 5-3, com quatro golos de Eusébio).

Agora, a Bélgica, que reforçou o estatuto de melhor ataque deste Mundial (12 golos), vai defrontar o Brasil na próxima sexta-feira (19.00, em Kazan), nos quartos-de-final. O Japão ficou pela terceira vez nos oitavos-de-final, o melhor que conseguiu nas seis participações consecutivas que leva em campeonatos do mundo desde 1998.

Jogos e resultados do dia:

Brasil - México (2-0)

Bélgica - Japão (3-2)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.