Contra-ataque no último minuto completa reviravolta belga

Japão marcou dois golos no início da segunda parte, mas viu os belgas darem a volta ao marcador nos últimos 25 minutos e marcarem duelo com o Brasil nos quartos-de-final.

A Bélgica superou um grande susto para confirmar o favoritismo perante o Japão (3-2) e seguir em frente neste Mundial.

Depois de uma primeira parte que terminou em branco, o jogo teve uma "louca" segunda metade, com cinco golos e uma reviravolta épica.

A seleção nipónica abriu uma vantagem de dois golos no início dos segundos 45 minutos, com golos de Haraguchi (48') e Inui (excelente remate de meia distância, aos 52'). Assumindo o "risco" de um futebol ofensivo e o gosto por ter a bola, a seleção japonesa expôs várias vezes a defensiva belga e parecia encaminhada para o seu primeiro apuramento para os quartos-de-final de um campeonato do mundo. Mas um golo feliz de Vertonghen tudo mudou.

O defesa da Bélgica reduziu aos 69', ao tentar cruzar de cabeça na área japonesa, com a trajetória a surpreender o guarda-redes Kawashima. E, num esfregar de olhos, a vantagem da seleção asiática dissipou-se, com Fellaini a empatar quase de seguida, aos 74', respondendo de cabeça a um cruzamento de Hazard (eleito o homem do jogo). Quando o jogo estava já a anunciar prolongamento, aos 90+4, um canto a favor do Japão resultou no terceiro golo belga, em contra-ataque, com Chadli a castigar o entusiasmo japonês.

Uma reviravolta histórica para a Bélgica, já que nenhuma seleção conseguia dar a volta a dois ou mais golos de desvantagem num jogo a eliminar do campeonato do mundo, dentro dos 90 minutos, desde o Portugal-Coreia do Norte de 1966 (que Portugal esteve a perder por 0-3 e venceu 5-3, com quatro golos de Eusébio).

Agora, a Bélgica, que reforçou o estatuto de melhor ataque deste Mundial (12 golos), vai defrontar o Brasil na próxima sexta-feira (19.00, em Kazan), nos quartos-de-final. O Japão ficou pela terceira vez nos oitavos-de-final, o melhor que conseguiu nas seis participações consecutivas que leva em campeonatos do mundo desde 1998.

Jogos e resultados do dia:

Brasil - México (2-0)

Bélgica - Japão (3-2)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.