Contra-ataque no último minuto completa reviravolta belga

Japão marcou dois golos no início da segunda parte, mas viu os belgas darem a volta ao marcador nos últimos 25 minutos e marcarem duelo com o Brasil nos quartos-de-final.

A Bélgica superou um grande susto para confirmar o favoritismo perante o Japão (3-2) e seguir em frente neste Mundial.

Depois de uma primeira parte que terminou em branco, o jogo teve uma "louca" segunda metade, com cinco golos e uma reviravolta épica.

A seleção nipónica abriu uma vantagem de dois golos no início dos segundos 45 minutos, com golos de Haraguchi (48') e Inui (excelente remate de meia distância, aos 52'). Assumindo o "risco" de um futebol ofensivo e o gosto por ter a bola, a seleção japonesa expôs várias vezes a defensiva belga e parecia encaminhada para o seu primeiro apuramento para os quartos-de-final de um campeonato do mundo. Mas um golo feliz de Vertonghen tudo mudou.

O defesa da Bélgica reduziu aos 69', ao tentar cruzar de cabeça na área japonesa, com a trajetória a surpreender o guarda-redes Kawashima. E, num esfregar de olhos, a vantagem da seleção asiática dissipou-se, com Fellaini a empatar quase de seguida, aos 74', respondendo de cabeça a um cruzamento de Hazard (eleito o homem do jogo). Quando o jogo estava já a anunciar prolongamento, aos 90+4, um canto a favor do Japão resultou no terceiro golo belga, em contra-ataque, com Chadli a castigar o entusiasmo japonês.

Uma reviravolta histórica para a Bélgica, já que nenhuma seleção conseguia dar a volta a dois ou mais golos de desvantagem num jogo a eliminar do campeonato do mundo, dentro dos 90 minutos, desde o Portugal-Coreia do Norte de 1966 (que Portugal esteve a perder por 0-3 e venceu 5-3, com quatro golos de Eusébio).

Agora, a Bélgica, que reforçou o estatuto de melhor ataque deste Mundial (12 golos), vai defrontar o Brasil na próxima sexta-feira (19.00, em Kazan), nos quartos-de-final. O Japão ficou pela terceira vez nos oitavos-de-final, o melhor que conseguiu nas seis participações consecutivas que leva em campeonatos do mundo desde 1998.

Jogos e resultados do dia:

Brasil - México (2-0)

Bélgica - Japão (3-2)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.