Ronaldo e uma estreia que valeu pela vitória

O primeiro jogo pela Juventus, na terra de Romeu e Julieta, não vai entrar na galeria dos melhores jogos da carreira do madeirense. Teve em Sorrentino, guarda-redes de 39 anos do Chievo, um inimigo dos grandes. Valeu o trunfo 3-2

Cristiano Ronaldo estreou-se esta tarde oficialmente pela Juventus. Foi diante do modesto Chievo Verona e após uma entrada em campo muito sorridente para o menino que trazia pela mão o madeirense concentrou-se na missão que tinha; marcar golos.

Quando a Juventus marcou aos 3' por Khedira ainda Ronaldo não tinha tocado na bola. Foi logo a seguir quando ganhou um lançamento da linha lateral, que aproveitou para executar. Aos 18' teve a sua melhor oportunidade quando recebeu um passe da direita de Cuadrado e rematou de pronto, cruzado, de pé direito. Aos 22' esteve envolvido num lance de contra-ataque que iniciou, mas Cuadrado, mal, optou pela remate, ignorando os restantes três colegas - Ronaldo, visivelmente desalentado, abriu os braços a lamentar a opção do colega.

De novo em sociedade com Cuadrado, optou, aos 30', por um remate de pé esquerdo que não passou longe. Entretanto o Chievo empata aos 38' quando ninguém esperava, pois não tinha conseguido uma única saída para o ataque. E o segundo golo de Chievo, antes do intervalo, esteve quase a surgir após uma perda de bola de Ronaldo, pouco adaptado ao facto de ser a referência do ataque da Juventus.

Foi na segunda parte que Ronaldo 'conheceu' Sorrentino, o guarda-redes de 39 anos do Chievo. Aos 48' rematou de pé direito mas o guarda-redes defendeu, aos 61' atirou de cabeça para a defesa do guardião, numa altura em que o Chievo já vencia após um penálti cometido por João Cancelo. Aos 66', já com Mandzukic como companheiro na frente de ataque, voltou a ver Sorrentino negar-lhe o golo, três minutos depois rematou mas surgiu um alívio inextremis de um defesa que festejou como se de um golo se tratasse. Aos 72', já com liberdade para jogar fora da área, centrou com régua e esquadro para a cabeça de Mandzuki atirar ao lado.

Aos 77', já depois do 2-2 apontado por Bonucci, sofreu uma falta a meio caminho entre a linha lateral e a grande área sobre o flanco esquerdo. Rematou diretamente mas novamente Sorrentino a evitar o golo.

Aos 88' surgiu um lance de difícil avalização. Ronaldo vai á disputa de bola com Sorrentino e a bola sobra para Mandzukic que, de cabeça, atirou para a baliza. O árbitro foi alertado, foi ver o lance e decidiu-se por um braço do português que, assim, ficou privado de lhe ser contabilizada uma assistência no jogo de estreia. Valeu que logo a seguir, já nos descontos, Bernadeschi desfez o empate e a Juventus somou os três pontos.

Não foi uma estreia de sonho, foi a estreia possível numa altura em que os colegas ainda não percebem bem o seu estilo de jogo. E se o treinador o mantiver sozinho na frente de ataque condicionará muitas das virtudes do capitão da selecção nacional.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.