Shangai SIPG de Vítor Pereira já chegou à liderança

Um triunfo (3-2) sobre o Chongqing Dangdai e deslizes dos rivais permitiram ao Shangai SIPG de Vítor Pereira chegar à liderança da Superliga chinesa

Frente á antiga equipa de Paulo Bento, o Shangai SIPG esteve foi liderando o marcador até ao triunfo final. Wu Lei (3' e 90') e Lu Wenjun (80') marcaram os golos do principal clube de Xangai. Mas teve de responder sempre à reação do Chongqing Dangdai, que empatou a 1-1 (Fernandinho, 45'+4') e a 2-2 (pelo ex-Benfica Alan Kardec, 82').

Com 18 jogos realizados, o Shangai SIPG soma os mesmos 39 pontos do Beijing Guoan, que hoje perdeu 0-3 na visita ao Beijing Renhe e mais um encontro disputado.

O Shandong Luneng, derrotado este sábado no terreno do Guizhou Zhicheng, 1-3, segue no terceiro lugar, com 38 pontos em 19 jogos, mais cinco do que o heptacampeão Guangzhou Evergrande, que defronta este domingo o Tianjin Quanjian, de Paulo Sousa, e tem dois jogos em atraso.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.