Sérgio Oliveira estende contrato por mais um ano

Médio estava vinculado aos dragões até junho de 2020, agora negociou novo contrato ficando ligado até junho de 2021. Por resolver continuam as situações de Herrera e Brahimi que estão no último ano de contrato

Sérgio Oliveira renovou contrato até 2021, estendendo por mais um ano o vínculo que tinha em vigor e que expirava em 2020. O anúncio foi feito pelo FC Porto, que, assim, vai manter o internacional português nas suas fileiras, produto da sua formação.

"É um momento de muito orgulho poder estender o meu contrato com o clube do meu coração, o clube que fez o jogador e a pessoa que sou hoje. Tentarei retribuir da melhor forma possível. É um momento de alegria, porque vês o teu trabalho reconhecido, mas também de maior responsabilidade. A partir de agora estás num patamar diferente. Como jogador, as pessoas já te olham de uma forma completamente diferente e é o momento de se calhar trabalhar ainda mais e não facilitar em nada, porque a responsabilidade é maior", disse Sérgio Oliveira ao site do FC Porto.

Após este desenlace, o FC Porto concentra-se em resolver dois dossiês delicados. Falamos obviamente de Brahimi e Herrera, que estão no último ano de contrato, podendo comprometer-se com outros clubes em janeiro próximo com efeitos a partir de julho de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.