Sérgio Conceição: "Somos a equipa a abater"

Treinador do FC Porto lembra que o facto de a equipa partir como campeã nacional aumenta a ambição e a responsabilidade

Sérgio Conceição falou esta segunda-feira ao Porto Canal sobre as expectativas para a nova temporada, precisamente no dia em que arrancaram os trabalhos da nova temporada. Os objetivos passam por revalidar o título de campeão e fazer melhor nas outras competições em que a equipa entrar.

"Nunca é tudo igual, há sempre situações diferentes, mas faz parte do nosso trabalho. Um ou outro jogador diferente também. Estamos preparados para uma época difícil, onde somos a equipa a abater, até porque ganhámos o campeonato. Fizemos uma época excelente, podemos fazer melhor nas outras competições e esse é também um dos objetivos para este ano. Vamos trabalhar como temos feito até aqui, desde que entrei no primeiro dia. Se possível melhorar, é o que queremos", referiu o técnico portista.

Sobre o regresso e o primeiro dia de trabalho. "Correu bem, dentro do esperado e do que foi o nosso primeiro dia do ano passado. Há um sentimento de grande ambição, grande responsabilidade por partimos como campeões nacionais. Isso traz essa mesma responsabilidade, independentemente de sabermos que estar no FC Porto é ter de lutar por todas as competições", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.