Sérgio Conceição: "FC Porto não é de topo europeu, de facto. É de topo mundial"

Treinador dos dragões fez a antevisão ao embate com a AS Roma e comentou as declarações de um jogador romano. Elogiou o adversário, falou de Totti, e disse que a sua equipa precisa de "coragem, determinação e pernas".

Sérgio Conceição fez nesta segunda-feira a antevisão ao desafio da primeira mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, no campo da AS Roma. O treinador do FC Porto elogiou a equipa italiana, respondeu a um jogador adversário e deixou ainda um comentário sobre Totti, glória da equipa romana e atual diretor do clube.

"A AS Roma tem jogadores muito interessantes. É o terceiro melhor ataque em Itália e isso não é coisa pouca, num campeonato que é exigente e onde o ADN das equipas é ser consistente a nível defensivo. Temos de ser uma equipa sólida, consistente e agressiva, com e sem bola, como nas provas internas. Parte do sucesso de amanhã passará pela consistência defensiva, perante a qualidade e dinâmica interessante do adversário. Depois temos de procurar a baliza adversária. Fazer golos é importante", considerou o treinador azul e branco.

Considerando a equipa romana um "adversário importante, acima da média e com desafios interessantes", o técnico português não quis dar destaque às ausências, como são as de Marega ou Corona. "Sou pago para encontrar soluções. As lesões e os problemas fazem parte da época desportiva, tenho de arranjar soluções", disse.

Na temporada passada, os dragões foram eliminados precisamente nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, pelo finalista Liverpool, depois de uma derrota por 5-0 em Portugal e um empate sem golos em Inglaterra. Para Sérgio Conceição, "a experiência é importante, mas não é decisiva e por si não vale nada. É preciso coragem, determinação e pernas". "Preparamos diariamente a equipa para que esteja pronta", frisou.

"Estamos habituados" foi a frase utilizada por Sérgio Conceição quando foi referido que o FC Porto era o único representante português ainda em prova na Liga dos Campeões. No seguimento, o ex-jogador da Lazio, eterno rival da AS Roma, aproveitou para responder a um jogador dos romanos. "Ouvi há pouco o Pellegrini a dizer que o FC Porto não é de topo europeu e de facto não é, é de topo mundial", afirmou, acrescentando: "No plano teórico diz-se muita coisa, mas o que conta é amanhã e depois no Estádio do Dragão. No fim, um esfregará as mãos e esperamos que seja o FC Porto."

Sobre Totti, eterno capitão do clube italiano, que na altura do sorteio disse que a AS Roma teve "alguma sorte", Sérgio Conceição não se coibiu de afirmar: "A simpatia de Totti pode ser dos seis títulos que ganhei aqui em dois anos", afirmou o português, que recordou o seu passado na Lazio. "Ao entrar neste estádio recordo os anos na Lazio e os títulos. É sempre uma emoção vir à cidade de Roma, mas o foco está no jogo", garantiu.

"Não há sentimento especial em defrontar a Roma por ter sido jogador da Lazio. Todos os dias, no meu trabalho, tenho um grande orgulho em representar um clube tão grande como o nosso FC Porto", afirmou ainda.

Corona é ausência por castigo, e o treinador do FC Porto foi claro na sua opinião: "Não sei como é que a UEFA avalia os pensamentos dos jogadores. Tenho dificuldades em entender isso e não compreendo o castigo. É sempre importante ter o maior número de jogadores possível para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.