Sérgio Conceição: "Achei por bem que não devia incluir o Marega na convocatória"

Treinador do FC Porto confirmou a ausência do avançado no jogo da Supertaça. Mas não adiantou os motivos

Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, confirmou esta sexta-feira que Marega não vai a jogo este sábado diante do Desp. Aves, na Supertaça Cândido de Oliveira. Mas não entrou em grandes pormenores sobre os motivos que o levaram a deixar o avançado maliano de fora, numa altura em que se fala insistentemente do interesse do West Ham no jogador.

"Braço de ferro com Marega? O único braço de ferro que fiz foi com Cristina Ferreira, da TVI, há uns tempos atrás. Não há braço de ferro nenhum. Em comum acordo com a direção, achei por bem que não devia incluir o Marega na convocatória. Aqui não há nada de estranho. No ano passado tivemos jogadores onde aconteceu a mesma coisa. Este ano começamos mais cedo, mas estou cá para decidir, para tomar estas decisões, de uma forma mais simpática para uns e mais antipática para outros. Alguns temas são internos", referiu o técnico portista.

Mesmo perante a insistência dos jornalistas, o técnico não adiantou mais pormenores: "Estou muito concentrado. Compreendo o trabalho dos jornalistas, mas não há mais do que aquilo que eu já disse sobre o Marega. Sobre entradas e saídas, este momento não é fácil. Principalmente para equipas que pertencem a países que são mais vendedores que compradores há sempre alguma instabilidade. Nós vivemos com isso e eu como líder do balneário tenho de ver quem está melhor para amanhã. O mais importante agora é falar do jogo com o Desportivo das Aves."

Sobre o jogo deste sábado, Sérgio Conceição elogiou o Desp. Aves e lembrou que a equipa de José Mota venceu a Taça de Portugal. "É uma boa oportunidade para ganharmos mais um título, depois do ano que passou e da forma como conquistámos o campeonato é merecido estarmos a disputar esta final contra um adversário com valia, com valor, com qualidade, com um treinador experiente, com alguns jogadores habituados a jogos decisivos, que dão títulos. O respeito por esta equipa que vamos defrontar é muito grande. Pela instituição, pelos adeptos, pela envolvência muito grande entre o clube e a própria cidade. Estamos avisados para um jogo muito difícil, mas temos consciência de que é a oportunidade de ganhar um título. Nesta casa trabalhamos para chegar a fases de decisão, que decidam esses mesmos títulos, e temos a oportunidade de ganhar mais um", referiu o técnico portista.

E depois concluiu, assumindo o favoritismo da sua equipa "Se eu disser outra coisa que não seja que temos muito mais a perder, pelo que representa o FC Porto no panorama nacional, na sua história... claro que o FC Porto tem mais a perder, mas as duas equipas têm a ganhar o mesmo. Isso tem a ver com o nosso favoritismo, que assumimos sem presunção ou vaidosismo, mas vocês sabem que o Desportivo das Aves venceu de forma inequívoca um candidato ao título [na final da Taça de Portugal]. Cada jogo é um jogo, tem a sua história, nós temos de estar preparados para as dificuldades."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.