Serena chega à 10.ª final e reedita duelo com Kerber

Norte-americana chega à décima final de Wimbledon e vai tentar conquistar o troféu pela oitava vez na sua carreira.

A tenista norte-americana Serena Williams assegurou esta quinta-feira o acesso à final e vai tentar conquistar o torneio inglês, frente à alemã Angelique Kerber, numa reedição do duelo de 2016.

Apesar da 181.ª posição que ocupa no 'ranking', devido à paragem competitiva que efetuou devido a ter sido mãe, Williams manteve o seu domínio no All England Club e pode, no sábado, voltar a conquistar a terceira prova do 'Grand Slam', algo que fez em 2002, 2003, 2009, 2010, 2012, 2015 e 2016.

Nas meias-finais, a antiga número um mundial não deu hipótese a Julia Goerges, 13.ª da hierarquia, e "despachou" a tenista alemã em dois 'sets', com os parciais de 6-2 e 6-4.

William parte como favorita para a final, em que Angelique Kerber, atualmente no 10.º lugar do 'ranking' WTA, vai tentar "vingar" a derrota de 2016 e "imitar" o triunfo que alcançou sobre a norte-americana nesse mesmo ano, mas no Open da Austrália.

A tenista germânica, que em 2016 também conquistou o US Open, vai disputar a quarta final de um 'Grand Slam', depois de ter batido a letã Jelena Ostapenko, 12.ª mundial, com um duplo 6-3, num duelo que durou uma hora e nove minutos.

Kerber acabou com o sonho de Ostapenko, que se tornou na primeira tenista da Letónia a chegar às meias-finais do mítico torneio de Wimbledon.

Na sexta-feira, é a vez das meias-finais da prova masculina, com destaque para o embate entre o espanhol Rafael Nadal e o sérvio Novak Djokovic. O sul-africano Kevin Anderson, "carrasco" de Roger Federer, e o norte-americano John Isner vão também lutar por um lugar na final.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.