Selecionador croata atira-se aos políticos do país

Zlatko Dalic mostrou-se muito crítico contra os dirigentes políticos da Croácia e confirma que a seleção vai doar os prémios do Mundial, no total de 23 milhões de euros, a uma fundação infantil

O selecionador croata Zlatko Dalic emitiu um comunicado demolidor no Facebook, em que arrasou os políticos do seu país (a presidente Kolinda Grabar-Kitarovic, embora sem mencionar o nome), acusando-os de se aproveitarem da seleção, vice-campeã mundial, para se promoverem. Paralelamente, lamenta que muitas crianças continuem a passar fome e que a Croácia seja um dos países mais pobres da União Europeia, informando que os cerca de 23 milhões de euros amealhados pelos jogadores croatas na Rússia vão ser doados a uma fundação infantil.

Eis um longo excerto do comunicado:

"Esta geração demonstrou que um grupo de grandes futebolistas pode alcançar o topo mundial, independentemente da nação, o orçamento ou a importância do país.

Escrevo estas linhas por causa da difícil situação da Croácia. A Croácia é o país mais pobre da União Europeia, governado por membros de uma organização que já foi declarada criminosa. O povo foi conduzido ao abismo, à miséria, milhões de pessoas abandonaram a sua pátria nos últimos 20 anos.

Hoje, na Croácia, os nossos reformados não conseguem fazer face às suas necessidades mais básicas, os jovens não conseguem pagar a educação, os cuidados de saúde estão em colapso e o sistema judicial protege o grande capital e é corrupto.

Por isso, peço aos políticos e a todos os representantes das autoridades que levaram o nosso povo ao inferno da miséria, ao desespero e à pobreza, que se afastem da seleção da Croácia. Não são bem-vindos ao nosso balneário, não queremos fotos convosco nem apertar a vossa mão. Foram vocês que fizeram da Croácia o país mais pobre da Europa. A Croácia tem mais de mil quilómetros de costa e temos crianças que nunca viram o mar! Temos crianças que vão para a cama com fome porque os seus pais, que estão desempregados, não têm como dar-lhes de comer.

As pessoas que fizeram isto ao nosso país não são bem-vindas. Por favor, respeitem a nossa decisão, não vistam camisolas de futebol nem usem o nosso êxito para a vossa promoção. Só desvalorizam o nosso trabalho e não queremos que o povo da Croácia nos ligue a vocês.

A equipa informa que todos prémios ganhos no Mundial da Rússia serão depositados num fundo especial para as crianças da Croácia. Esse fundo vai financiar férias de crianças que nunca viram o mar Adriático. Os membros da seleção de futebol croata estão com o povo da Croácia e farão o que puderem para ajudá-lo, além das vitórias. Todas as crianças croatas vão ter a oportunidade de passar pelo menos sete dias na costa croata. É o mínimo que podemos fazer pelos mais vulneráveis."

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.