Três estreias na seleção alemã após Mundial para esquecer

Joachim Löw promoveu esta quarta-feira três estreias e deixou de fora o médio Sami Khedira para o jogo com a campeã mundial França, a 6 de setembro, para a Liga das Nações.

Depois de Mesut Özil, do Arsenal, ter renunciado após o Mundial 2018, no qual a então campeã em título Alemanha teve um desempenho dececionante, o selecionador deu um sinal de que o ciclo de Khedira na seleção também terminou.

Löw promoveu as estreias de Tilo Kehrer (Paris Saint-Germain), Kai Havertz (Bayer Leverkusen) e Nico Schulz (Hoffenheim), bem como o regresso de Leroy Sané (Manchester City), que, com alguma surpresa, não incluiu nos eleitos para o Mundial2018.

Em relação ao grupo dos mundialistas, o selecionador prescindiu do terceiro guarda-redes Kevin Trapp (Paris Saint-Germain), do lateral Marvin Plattenhardt (Hertha Berlim) e do médio Sebastian Rudy (emprestado ao Schalke 04 pelo Bayern Munique).

Nos convocados de Joachim Löw mantêm-se sete campeões mundiais em 2014, com destaque para o guarda-redes do Bayern Munique Manuel Neuer, que mantém o estatuto de capitão.

Low negou ainda a existência de qualquer forma de racismo na seleção, antes ou durante o Mundial 2018, contrariando o que Özil disse na altura em que renunciou à mannschaft.

"Desde que estou com a federação alemã [em 2004 como treinador adjunto] nunca houve qualquer tipo de racismo na seleção. Os jogadores sempre se identificaram com os nossos valores", assegurou Löw.

Özil, que durante anos foi um dos jogadores imprescindíveis de Löw, deixou a seleção após o Mundial 2018, depois de uma violenta controvérsia em torno de uma fotografia tirada com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

Num comunicado de quatro páginas, no momento da sua renúncia à seleção, o jogador alemão de origem turca acusou o presidente da federação alemã, Reinhard Grindel, de "racismo".

Numa análise muito longa ao desempenho da Alemanha na Rússia, o selecionador admitiu que a controvérsia em torno dos jogadores de origem turca foi "subestimada", considerando que a polémica "retirou força" e "mexeu com os nervos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.