Seleção de sub-19 perde com a Itália no Europeu

A equipa treinada por Hélio Sousa jogou com 10 jogadores desde os nove minutos e saiu derrotada por 3-2

A seleção nacional de sub-19 perdeu esta quarta-feira com a Itália, por 3-2, em jogo da 2ª jornada do grupo A do Europeu de sub-19 que se disputa na Finândia.

A equipa das quinas ficou condicionada logo aos nove minutos quando Diogo Queirós foi expulso por travar um adversário que se isolara a caminho da baliza.

Os italianos só chegaram à vantagem na segunda parte, através de Capone, tendo Miguel Luís chegado ao empate aos 69 minutos.

Só que os últimos 15 minutos acabaram por ser fatais para a seleção orientada por Hélio Sousa, pois a seleção de Itália marcou dois golos por Scamacca e Frattesi, tendo Domingos Quina reduzido já perto do final da partida, com o melhor golo da partida.

Com este resultado, Portugal está obrigado a vencer a Finlândia na última jornada para garantir o apuramento para as meias-finais. O empate até pode bastar desde que a Noruega não vença os italianos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.