Sara Carbonero lamenta saída de Cristiano Ronaldo do Real Madrid

A mulher de Iker Casillas recordou a boa relação do guarda-redes com CR 7, mas os seguidores não esqueceram as críticas que fez no passado ao jogador português

"Sentimos que parte algo nosso, algo que nos deu muitas alegrias". Foi esta a frase de Sara Carbonero, mulher de Iker Casillas, que, segundo a imprensa espanhola, deu origem à polémica. Entrevistada à margem da Mercedes-Benz Fashion Week, em Madrid, a jornalista espanhola lamentou a saída de Cristiano Ronaldo para a Juventus, e os internautas não gostaram.

"Ele [Iker Casillas] tinha uma belíssima relação com Cristiano e, como a todos, deu-nos pena a sua saída", afirmou Carbonero, que participou no evento como embaixadora da marca de produtos capilares L'Oréal.

A imprensa espanhola diz que os internautas apelidaram Sara Carbonero de "mentirosa" e "falsa", ao que tudo indica devido a declarações antigas da jornalista. Quando Cristiano Ronaldo jogou com Casillas no Real Madrid, criticou-o por ser "egoísta" e "individualista".

Casillas deixou mensagem

Após as notícias da transferência de CR 7 para a Juventus, Iker Casillas deixou uma mensagem emotiva ao jogador português no Twitter: "As despedidas doem, ainda mais quando se trata de um jogador assim. Agradeço-te aquilo que fizeste por um clube, que tornaste ainda maior do que já era".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...