Salto recorde de paralímpico teria dado ouro... nos últimos 3 JO

Atleta alemão tem também a terceira melhor marca do ano de entre todos os atletas. Objetivo é chegar aos 8,5 metros

Markus Rehm, atleta paralímpico alemão de 30 anos, estabeleceu este fim de semana um novo recorde do mundo de salto em comprimento na categoria T64 com um salto de 8,48 metros. Este seria apenas mais um recorde do mundo, não fosse a marca a terceira melhor do ano, de entre todos os atletas, paralímpicos ou não. Inclusivamente, teria dado medalha de ouro nas últimas três edições dos Jogos Olímpicos.

No vídeo abaixo (ver a partir dos 3:00) é possível ver o salto de Rehm, que quase aterrou fora da areia, em que conseguiu acrescentar mais um centímetro ao recorde do mundo que havia estabelecido sete semanas antes.

Para comparação, as últimas três medalhas de ouro em Jogos Olímpicos foram: Jeff Henderson, em 2016, com 8,38 metros; Greg Rutherford, em 2012, com 8,31 metros; e Irving Saladino, em 2008, com 8,34 metros.

Relativamente aos saltos de 2018, é a terceira melhor marca, atrás de Luvo Manyonga, com 8,58 metros, e de Juan Miguel Echevarría, que detém a melhor marca do ano até agora: 8,68 metros.

"Estou perto, porque 8,5 metros é a próxima grande barreira que separa os bons dos melhores e eu quero ser um dos melhores. É o meu objetivo", afirmou o atleta alemão citado no site paralympic.org.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.