Salto recorde de paralímpico teria dado ouro... nos últimos 3 JO

Atleta alemão tem também a terceira melhor marca do ano de entre todos os atletas. Objetivo é chegar aos 8,5 metros

Markus Rehm, atleta paralímpico alemão de 30 anos, estabeleceu este fim de semana um novo recorde do mundo de salto em comprimento na categoria T64 com um salto de 8,48 metros. Este seria apenas mais um recorde do mundo, não fosse a marca a terceira melhor do ano, de entre todos os atletas, paralímpicos ou não. Inclusivamente, teria dado medalha de ouro nas últimas três edições dos Jogos Olímpicos.

No vídeo abaixo (ver a partir dos 3:00) é possível ver o salto de Rehm, que quase aterrou fora da areia, em que conseguiu acrescentar mais um centímetro ao recorde do mundo que havia estabelecido sete semanas antes.

Para comparação, as últimas três medalhas de ouro em Jogos Olímpicos foram: Jeff Henderson, em 2016, com 8,38 metros; Greg Rutherford, em 2012, com 8,31 metros; e Irving Saladino, em 2008, com 8,34 metros.

Relativamente aos saltos de 2018, é a terceira melhor marca, atrás de Luvo Manyonga, com 8,58 metros, e de Juan Miguel Echevarría, que detém a melhor marca do ano até agora: 8,68 metros.

"Estou perto, porque 8,5 metros é a próxima grande barreira que separa os bons dos melhores e eu quero ser um dos melhores. É o meu objetivo", afirmou o atleta alemão citado no site paralympic.org.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?