SAD também condena António Paulo Santos

Membro da Comissão de Fiscalização atuou à revelia da comissão que integra e da SAD, cuja administração apelida de "impróprias e irresponsáveis" declarações de António Paulo Santos

António Paulo Santos, membro da Comissão de Fiscalização, deu uma conferência de imprensa, nesta quarta-feira, para abordar a situação financeira do Sporting. Não tardou para que a própria Comissão de Fiscalização se demarcasse e o último desenvolvimento tem a ver com a condenação veemente por parte da administração da SAD em relação ao comportamento de António Paulo Santos, acusando-o, inclusivamente, de aludir a dados financeiros falsos.

Eis o comunicado:

Face às despropositadas declarações hoje proferidas a título individual pelo membro da Comissão de Fiscalização Paulo Santos, vem por este meio o Conselho de Administração da Sporting SAD esclarecer que:

1 - Considera profundamente impróprias e irresponsáveis tais declarações, não só porque não cabem nas atribuições de um membro da Comissão de Fiscalização, mas também porque aludem a dados financeiros, ainda por cima falsos, referentes à Sporting SAD, empresa do Grupo Sporting cotada em bolsa, sendo que os dados verdadeiros, do Grupo e da SAD, se encontram ainda em fase de apreciação pelos respetivos órgãos de auditoria e fiscalização, e por isso, no caso da SAD, ainda nem sequer foram remetidos à CMVM;

2 - Desmente categoricamente as irresponsáveis informações prestadas pelo sr. Paulo Santos sobre as necessidades de tesouraria do Grupo Sporting, e especificamente as da Sporting SAD, e deplora as meias verdades e imprecisões dos dados financeiros por ele anunciados;

3 - Lamenta profundamente a desestabilização e o alarme gerado lamentavelmente e de forma infundada entre os sportinguistas por estas declarações, as quais apenas se poderão entender, parcialmente, pelo período de campanha eleitoral atualmente vivido pelo Clube com vista às eleições do próximo dia 8.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...