Rui Vitória: "Jonas não está disponível nem sabemos quando vai estar"

O treinador do Benfica não adianta pormenores sobre a lesão do brasileiro e confirma que Castillo também não vai jogar na Madeira, com o Nacional

Rui Vitória, treinador do Benfica, ainda não vai contar com o goleador Jonas para a deslocação ao Funchal, onde este domingo, às 18.30 horas, vai defrontar o Nacional, em jogo da 4ª jornada da Liga.

"O Jonas não está disponível nem sabemos quando vai estar", afirmou o técnico dos encarnados, remetendo para o boletim clínico do clube. "O diagnóstico foi passado pelo departamento médico e não posso dizer mais do que isso. Percebo o interresse público da pergunta, mas só posso dizer que ele não está em condições", acrescentou.

Além do internacional brasileiro, Rui Vitória anunciou ainda que também não poderá contar com Nicolás Castillo, que também recupera de lesão.

Sobre o jogo com o Nacional, o treinador disse que o Benfica vai "encontrar uma equipa que vem da primeira vitória e tem motivação de jogar em casa", considerando tratar-se de um conjunto que "está bem trabalhado" e que, nesse sentido, "vai querer criar situações difíceis" à sua equipa, elogiando o seu homólogo Costinha que classificou como "treinador positivo e com ambição de vencer".

Assim sendo, Rui Vitória defendeu que a sua equipa vai apresentar um conjunto de atributos essenciais para ultrapassar os obstáculos que terá pela frente: "Vamos ser uma equipa determinada, convicta e a querer muito ganhar, pois queremos acabar este ciclo da melhor forma."

Questionado sobre se Seferovic ganhou a titularidade a Ferreyra, na sequência do jogo com o PAOK Salonica na última quarta-feira, Rui Vitória lembrou que o Benfica tem para o ataque "jogadores de características diferentes". "No último jogo entendi que Seferovic era a melhor opção, se jogar com o Nacional é porque entendo que deve ser assim."

Após a partida na Madeira, segue-se o primeiro período de paragem para os jogos das seleções, algo que o treinador do Benfica aproveitou para dizer que o que a sua equipa fez até agora "não foi fácil". "Planeamos este primeiro ciclo do campeonato, com objetivos claros e foi tudo planeado. Agora há o período de paragem, mas a partir dai é preciso mobilizar para mais um ciclo difícil com jogos consecutivos com pouco intervalo", frisou.

Rui Vitória fez questão de dizer que sente "orgulho e satisfação" pela presença de vários jogadores do Benfica nas seleções nacionais. "Cada vez mais estão jogadores que estão ou estiveram no Benfica na seleção nacional e nos sub-21. Isso quer dizer que estamos no caminho certo e acredito que o futuro da seleção principal vai passar por jogadores que estão nos sub-21 e noutros escalões, muitos deles do Benfica."

O mercado e a Champions

Rui Vitória garantiu ainda que passou um fecho do mercado "bastante tranquilo", algo que em sua opinião tem-se repetido no fecho das últimas janelas. "Costumo assistir ao que se passa noutros clubes, porque não tivemos necessidade de resolver situações à ultima da hora. Sabia que não ia sair nenhum jogador e fico satisfeito por manter a estabilidade da equipa, pois para os jogadores também é importante ficar num grande clube como o nosso", disse, explicando depois a forma como olha para o que tem à sua disposição: "Temos um plantel equilibrado e montado para trabalhar em todas as competições."

Já em relação aos adversários do Benfica na Liga dos Campeões, cujo o sorteio se realizou na última quinta-feira, o treinador benfiquista destacou que o grupo é composto por "quatro equipas de qualidade". "Bayern é habitual candidato a ganhar a Champions, o Ajax que quer reposicionar-se no panorama europeu e AEK Atenas que é também uma boa equipa", frisou, deixando desde já uma certeza: "Queremos fazer o nosso papel indo à procura de vitórias em todos os jogos, mas serão partidas interessantes e difíceis."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.