Rui Vitória: "Conseguimos uma exibição e um resultado categóricos"

O treinador do Benfica estava satisfeito com a goleada, enquanto Costinha considerou que o seu Nacional pouco mais poderia fazer

Rui Vitória, treinador do Benfica, destacou o facto de a sua equipa ter terminado "em beleza" um ciclo difícil ao vencer, na Choupana, o Nacional por 4-0:

"Viemos com o propósito de terminar este ciclo em beleza e conseguimos uma exibição e um resultado categóricos. Tenho de valorizar os meus jogadores, que fizeram aqui o oitavo jogo em 27 dias. Na 1ª parte fomos uma equipa decidida a saber o que tinha de fazer, marcámos dois golos e depois, na segunda, gerimos da forma que queríamos. Sabíamos que o adversário iria ter de procurar mais alguma coisa e que poderíamos marcar mais golos."

"Seferovic? A vida dos jogadores é isto, têm de agarrar as oportunidades quando elas surgem. Há que saber esperar e entrar bem quando a oportunidade aparece. Hoje foi o Seferovic, mas aquilo que quero realçar é que os jogadores entram na equipa com um à-vontade muito grande. Surgiu a oportunidade de jogar e ele estava pronto, sem bloqueios do cérebro."

Já Costinha, técnico do Nacional, considerou o triunfo do Benfica "justo" e lembrou que a sua equipa "só perdeu uma batalha numa longa guerra":

"Foi uma vitória justa, o Benfica foi a melhor equipa durante os 90 minutos, mostrou maior maturidade e tem jogadores tecnicamente mais evoluídos, com um controlo de bola de grande qualidade. Não estivemos tão bem como gostaríamos, e tirando um remate de Palocevic, não tivemos grandes situações, porque o Benfica não deixou."

"O Benfica aproveitou bem os erros que comentemos. Na 2.º parte entrámos melhor, mas no nosso melhor momento, tivemos uma jogada em que fechámos mal o segundo poste e o Benfica voltou a marcar. Mas só perdemos uma batalha numa longa guerra. Há que assumir de forma natural as coisas menos positivas que fizemos e seguir para melhorar."

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.