Rui Vitória: "Conseguimos uma exibição e um resultado categóricos"

O treinador do Benfica estava satisfeito com a goleada, enquanto Costinha considerou que o seu Nacional pouco mais poderia fazer

Rui Vitória, treinador do Benfica, destacou o facto de a sua equipa ter terminado "em beleza" um ciclo difícil ao vencer, na Choupana, o Nacional por 4-0:

"Viemos com o propósito de terminar este ciclo em beleza e conseguimos uma exibição e um resultado categóricos. Tenho de valorizar os meus jogadores, que fizeram aqui o oitavo jogo em 27 dias. Na 1ª parte fomos uma equipa decidida a saber o que tinha de fazer, marcámos dois golos e depois, na segunda, gerimos da forma que queríamos. Sabíamos que o adversário iria ter de procurar mais alguma coisa e que poderíamos marcar mais golos."

"Seferovic? A vida dos jogadores é isto, têm de agarrar as oportunidades quando elas surgem. Há que saber esperar e entrar bem quando a oportunidade aparece. Hoje foi o Seferovic, mas aquilo que quero realçar é que os jogadores entram na equipa com um à-vontade muito grande. Surgiu a oportunidade de jogar e ele estava pronto, sem bloqueios do cérebro."

Já Costinha, técnico do Nacional, considerou o triunfo do Benfica "justo" e lembrou que a sua equipa "só perdeu uma batalha numa longa guerra":

"Foi uma vitória justa, o Benfica foi a melhor equipa durante os 90 minutos, mostrou maior maturidade e tem jogadores tecnicamente mais evoluídos, com um controlo de bola de grande qualidade. Não estivemos tão bem como gostaríamos, e tirando um remate de Palocevic, não tivemos grandes situações, porque o Benfica não deixou."

"O Benfica aproveitou bem os erros que comentemos. Na 2.º parte entrámos melhor, mas no nosso melhor momento, tivemos uma jogada em que fechámos mal o segundo poste e o Benfica voltou a marcar. Mas só perdemos uma batalha numa longa guerra. Há que assumir de forma natural as coisas menos positivas que fizemos e seguir para melhorar."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.