Rui Jorge é o técnico desejado por Frederico Varandas

Selecionador sub-21 é a prioridade do candidato. Mas o contrato com a FPF e a decisão de Sousa Cintra podem ser obstáculos difíceis de contornar

Rui Jorge, 45 anos, atual selecionador nacional sub-21 é o treinador preferido de Frederico Varandas para assumir o comando técnico do Sporting caso o clínico vença as eleições agendadas para 8 de setembro, apurou o DN.

Mas este é um dossier complicado e há vários obstáculos a contornar. Por isso, neste momento é prematuro dizer-se que Rui Jorge vai regressar a Alvalade onde esteve como futebolista durante sete temporadas. Será preciso que Frederico Varandas suceda a Bruno de Carvalho, que o treinador esteja disposto a abdicar de um projeto que se iniciou em 2011 e que tem sido coroado de êxito significativo - há Europeu da categoria no próximo ano, em Itália. As coisas ficam ainda mais difíceis quando se sabe que Rui Jorge tem contrato com a Federação Portuguesa de Futebol até junho de 2021.

Para além disso tudo vai depender da conjuntura em 8 de setembro, data das eleições.

Como o DN avançou na sua edição desta quinta-feira, José Sousa Cintra vai tentar contratar um treinador que não seja apenas até às eleições. Vingou a ideia de Cintra dentro da comissão de gestão, pois outros elementos mostraram-se mais inclinados para uma opção temporária como Luís Martins ou Tiago Fernandes, atual treinador dos juniores.

Sousa Cintra vai contratar um técnico cujo vínculo será de, pelo menos, um ano. O DN mantém que Ricardo Sá Pinto, sobretudo este, e José Couceiro, que tem sido associado ao inédito cargo de Diretor Técnico Nacional da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), são as apostas mais realistas do administrador da SAD, que prometeu apresentar o treinador até segunda-feira. Ainda assim, o DN sabe que Rui Jorge também foi um nome equacionado...

Como se percebeu, a SAD quis manter Augusto Inácio como diretor para o futebol, pois nem sequer foi convidado para o cargo de treinador após a decisão de prescindir de Mihajlovic. E, apesar de ainda ser um horizonte longínquo, importa recordar os caminhos cruzados dos dois antigos laterais-esquerdos de Sporting, FC Porto e seleção.

Foi Augusto Inácio o treinador que lançou Rui Jorge no escalão maior do futebol português (época 1991/92 no Rio Ave) tendo depois reencontrado, como adjunto de Carlos Alberto Silva e Bobby Robson, o atual selecionador sub-21 nas Antas. Voltariam a encontrar-se na época 1999/2000 em Alvalade na época em que os leões quebraram um jejum de 18 anos. E depois disso Rui Jorge seria novamente campeão em 2001/2002 no último ano em que os verdes e brancos festejaram o título nacional. O seu treinador nessa época foi o romeno Laszlo Bölöni que no seu livro "Bloco de Notas" confidenciou que Rui Jorge tinha sido o jogador "mais inteligente que tinha conhecido".

Na base da decisão de Varandas estará a experiência de Rui Jorge em trabalhar com jovens, não sendo despiciendo o facto de conhecer os cantos à casa. Rui Jorge tem também a vantagem de conhecer Hugo Viana, o eleito do candidato para o diretor desportivo. Foram ambos campeões em 2000 e ambos estiveram no plantel que atingiu a final da extinta Taça UEFA em 2005, perdida em Alvalade para o CSKA Moscovo (1-3).

Rui Jorge, que teve apenas uma experiência curta na principal equipa do Belenenses (dois encontros), goza ainda de crédito junto das pessoas com quem trabalhou em Alvalade e Alcochete e que ainda permanecem no clube. Fica por saber se a decisão de Sousa Cintra em querer contratar um treinador para, pelo menos, um ano não hipoteca esta possibilidade. Isso e/ou a vontade de Rui Jorge em continuar como selecionador nacional sub-21.

As próximas horas serão decisivas para se perceber o que pretende fazer o Sporting no que diz respeito ao seu comando técnico. Com a dispensa de Sinisa Mihajlovic e o plantel a apresentar-se na próxima segunda-feira, data limite imposta pelo próprio Sousa Cintra para anunciar o novo técnico, o tempo joga claramente contra os dirigentes leoninos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.