Ruben Semedo já está em liberdade

O jogador abandonou a prisão em Valência após 142 dias.

O futebolista português Ruben Semedo, que estava preso preventivamente há 142 dias, em Espanha, saiu esta sexta-feira da prisão e vai aguardar julgamento em liberdade, após ter pago uma fiança de 30 mil euros.

De acordo com o jornal espanhol Marca, que tem imagens do defesa central a abandonar esta tarde o estabelecimento prisional de Picassent, em Valência, Semedo vai manter-se em liberdade até ao julgamento, mas terá que se apresentar semanalmente às autoridades.

O jogador de 23 anos, com quem o Villarreal suspendeu o contrato até que se conclua o processo, é acusado de tentativa de homicídio, agressão, sequestro, posse de arma ilícita, roubo com violência e ameaças.

Ruben Semedo estava detido desde 19 de fevereiro último, por suspeitas de ter, juntamente com outras duas pessoas, sequestrado um homem, a quem, sob ameaça com uma pistola, retiraram as chaves do apartamento, de onde alegadamente furtaram dinheiro e objetos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...