Ronaldo vende uma camisola a cada 30 segundos

Ronaldomania em Itália. Tuttosport diz que se venderam 55 mil camisolas em três semanas, o que gerou uma receita de 6,3 milhões de euros

Cristiano Ronaldo já começa a bater recordes pela Juventus ainda antes se ter estreado sequer em jogos não oficiais. A Ronaldomania está instalada em Itália e tem feito desaparecer a camisola 7 da vecchia signora à venda tanto na loja do clube como via online.

Segundo o diário desportivo italiano Tuttosport, foram vendidas 55 mil camisolas em apenas três semanas, o que gerou uma receita de 6,3 milhões de euros, estimando-se que o clube fique 10 a 12 por cento desse valor. O jornal transalpino fez as contas e chegou à conclusão que se têm vendido, em média, duas camisolas de CR7 a cada minuto, o que equivale dizer a uma a cada 30 segundos.

A estimativa é que, no final do ano, as receitas das vendas de camisolas do internacional português rondem entre 55 e 65 milhões de euros.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.