Ancelotti: "Ronaldo vai dar motivação extra ao Nápoles"

O treinador do Nápoles, que treinou o Real Madrid entre 2013 e 2014, considerou esta quarta-feira que a contratação do português pela Juventus vai oferecer uma motivação extra aos vice-campeões italianos.

"O futebol italiano vai beneficiar disto [da chegada do Ronaldo]. Vai beneficiar a Juventus e vai beneficiar todos. Para o Nápoles vai ser uma motivação extra para competir com a Juventus, assim como para todas as outras equipas", afirmou o técnico, em declarações à comunicação social, no estágio do clube napolitano, em Dimaro.

Ancelotti comandou os merengues na conquista pela 10.ª Liga dos Campeões, em Lisboa, em 2014, a sua segunda como treinador, depois de ter vencido três como jogador, e elogiou o profissionalismo do avançado.

"O Ronaldo é um dos melhores jogadores do mundo, quiçá o melhor. Conheço-o muito bem, conheço a sua seriedade e o seu profissionalismo", afirmou.

Questionado sobre a curiosidade de ambos coincidirem no campeonato italiano na mesma época, Ancelotti, que sucede no comando técnico do Nápoles a Maurizio Sarri, respondeu com humor: "É uma casualidade voltar a Itália no mesmo ano em que chega o Cristiano. Talvez daqui a 10 anos se diga que 'naquela época chegaram a Itália Ronaldo e Ancelotti' e então comparar-nos".

O italiano, de 59 anos, voltou à Série A, nove anos depois de ter orientado o AC Milan, contando passagens pelo comando técnico de Chelsea, Paris Saint-Germain, Real Madrid e Bayern Munique. Antes, já tinha treinado Juventus, Parma e Reggiana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...