Ancelotti: "Ronaldo vai dar motivação extra ao Nápoles"

O treinador do Nápoles, que treinou o Real Madrid entre 2013 e 2014, considerou esta quarta-feira que a contratação do português pela Juventus vai oferecer uma motivação extra aos vice-campeões italianos.

"O futebol italiano vai beneficiar disto [da chegada do Ronaldo]. Vai beneficiar a Juventus e vai beneficiar todos. Para o Nápoles vai ser uma motivação extra para competir com a Juventus, assim como para todas as outras equipas", afirmou o técnico, em declarações à comunicação social, no estágio do clube napolitano, em Dimaro.

Ancelotti comandou os merengues na conquista pela 10.ª Liga dos Campeões, em Lisboa, em 2014, a sua segunda como treinador, depois de ter vencido três como jogador, e elogiou o profissionalismo do avançado.

"O Ronaldo é um dos melhores jogadores do mundo, quiçá o melhor. Conheço-o muito bem, conheço a sua seriedade e o seu profissionalismo", afirmou.

Questionado sobre a curiosidade de ambos coincidirem no campeonato italiano na mesma época, Ancelotti, que sucede no comando técnico do Nápoles a Maurizio Sarri, respondeu com humor: "É uma casualidade voltar a Itália no mesmo ano em que chega o Cristiano. Talvez daqui a 10 anos se diga que 'naquela época chegaram a Itália Ronaldo e Ancelotti' e então comparar-nos".

O italiano, de 59 anos, voltou à Série A, nove anos depois de ter orientado o AC Milan, contando passagens pelo comando técnico de Chelsea, Paris Saint-Germain, Real Madrid e Bayern Munique. Antes, já tinha treinado Juventus, Parma e Reggiana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.