Ronaldo salda contas com fisco espanhol antes de chegar a Itália

Paga 18,8 milhões de euros de multa e fica com pena não efetiva de dois anos de prisão.

O acordo entre Cristiano Ronaldo e a agência tributária espanhola está pronto a ser concluído e permitirá ao jogador português iniciar a sua nova etapa, em Itália, sem contas pendentes em Madrid.

Segundo informa o diário espanhol AS, o advogado do jogador, José António Choclán, e o representante do Estado espanhol, Edmundo Bal, fecharam definitivamente o acordo que levará Ronaldo a assumir o pagamento de 18,8 milhões de euros de multa e a aceitar a responsabilidade penal por ter defraudado o Fisco em 14,7 milhões de euros: dois anos de prisão não efetiva, que é substituída por multa devido ao facto de a pena não ser superior a 24 meses.

Este foi um dos fatores que levaram Cristiano Ronaldo a considerar a saída do Real Madrid e da liga espanhola. Em Itália, Cristiano Ronaldo beneficiará de uma lei fiscal mais permissiva, já que os estrangeiros beneficiam, num primeiro ano, de uma taxa única de 100 mil euros para todas as receitas geradas no estrangeiro, incluindo direitos de imagem e contratos de patrocínio, fatores que estiveram na origem do diferendo com o fisco espanhol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.