Ronaldo salda contas com fisco espanhol antes de chegar a Itália

Paga 18,8 milhões de euros de multa e fica com pena não efetiva de dois anos de prisão.

O acordo entre Cristiano Ronaldo e a agência tributária espanhola está pronto a ser concluído e permitirá ao jogador português iniciar a sua nova etapa, em Itália, sem contas pendentes em Madrid.

Segundo informa o diário espanhol AS, o advogado do jogador, José António Choclán, e o representante do Estado espanhol, Edmundo Bal, fecharam definitivamente o acordo que levará Ronaldo a assumir o pagamento de 18,8 milhões de euros de multa e a aceitar a responsabilidade penal por ter defraudado o Fisco em 14,7 milhões de euros: dois anos de prisão não efetiva, que é substituída por multa devido ao facto de a pena não ser superior a 24 meses.

Este foi um dos fatores que levaram Cristiano Ronaldo a considerar a saída do Real Madrid e da liga espanhola. Em Itália, Cristiano Ronaldo beneficiará de uma lei fiscal mais permissiva, já que os estrangeiros beneficiam, num primeiro ano, de uma taxa única de 100 mil euros para todas as receitas geradas no estrangeiro, incluindo direitos de imagem e contratos de patrocínio, fatores que estiveram na origem do diferendo com o fisco espanhol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.