Ronaldo reencontra o Inter Milão, a equipa que o batizou há 16 anos

A Juventus defronta esta sexta-feira o Inter Milão. Foi precisamente contra o clube italiano que CR7 fez a sua estreia como profissional, no Sporting, em agosto de 2002. Na altura era um miúdo franzino, de madeixas loiras no cabelo e borbulhas na cara.

O jogo grande da 15.ª jornada da liga italiana está agendado para esta sexta-feira, às 19.30 (SportTV2), e vai colocar frente a frente a Juventus de Cristiano Ronaldo e o Inter Milão de João Mário. Este clássico do futebol italiano tem um significado especial para CR7, pois foi precisamente frente ao Inter que se estreou como futebolista profissional em provas oficiais... há 16 anos.

Em 2002, Cristiano Ronaldo era uma jovem promessa de 16 anos, um jogador que estava a dar nas vistas na formação leonina e que o então treinador Laszlo Bölöni resolveu chamar aos trabalhos da equipa principal, a conselho de Carlos Freitas, diretor do futebol dos leões na altura.

A 14 de agosto de 2002, num jogo da primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, o treinador romeno decidiu apostar no miúdo madeirense franzino, de madeixas loiras no cabelo e borbulhas no rosto, que estava sentado no banco ao lado de Paulo Bento, lançando-o em campo para o lugar de Toñito, aos 58 minutos. Na altura tinha 17 anos e o número 28 nas costas. Estava consumada estreia.

Cristiano Ronaldo não marcou (o jogo terminou empatado sem golos), mas ainda deu nas vistas em dois ou três lances, num jogo onde curiosamente chegou a coincidir em campo com Sérgio Conceição, atual treinador do FC Porto que fazia parte dessa equipa do Inter Milão que era treinada pelo argentino Hector Cúper e contava como estrelas como Toldo, Materazzi, Javier Zanetti, Di Biagio e Vieri.

Veja aqui o vídeo do jogo de estreia de Ronaldo como profissional em jogos oficiais.

"Só o tinha visto jogar uma vez, num jogo amigável entre as equipas de sub-16 e 18 do Sporting, e logo na altura decidi que o queria a treinar comigo na equipa principal. Esse momento chegou numa pausa de seleções, em que Portugal tinha um par de jogos e eu tive de recorrer aos escalões jovens para ter jogadores suficientes para treinar. E então chamei aquele miúdo, na altura com 16 anos, mas nunca pensei que ele iria ficar tanto tempo connosco. Assim que o vi treinar pela primeira vez, decidi logo que era para ficar na equipa principal", revelou Boloni, numa entrevista ao site da FIFA, em 2017.

Toñito, antigo médio espanhol do Sporting, ficou associado a dois momentos do início da carreira de Ronaldo como profissional. No primeiro jogo foi o jogador que saiu para permitir a estreia oficial de CR7, e em outubro desse mesmo ano de 2002 fez o passe para o primeiro golo do avançado português, na receção ao Moreirense. "Foi um passe fundamental apenas por uma razão: porque me permitiu ser parte da carreira fantástica de Cristiano Ronaldo, e isso deixa-me muito feliz", disse em novembro de 2016, numa entrevista ao site Maisfutebol.

Um ano depois (6 de agosto de 2003), num particular diante do Manchester United que serviu para inaugurar o Estádio José Alvalade, fez uma exibição brilhante e convenceu de imediato Alex Ferguson a contratá-lo. A partir daqui a história da lenda CR7 é conhecida. Títulos atrás de títulos, recordes batidos a um ritmo impressionante e uma coleção sem fim de troféus individuais, de onde se destacam as cinco Bolas de Ouro e os dois prémios The Best da FIFA.

No último verão, a bomba rebentou. Cristiano Ronaldo decidiu deixar o Real Madrid após nove anos no clube da capital espanhol e elegeu a Juventus, a crónica campeã de Itália, para onde se transferiu a troco de 100 milhões de euros. E os números não podiam ser mais animadores: 11 golos marcados em 18 jogos (campeonato e Champions) e um número impressionante de assistências.

Este será o terceiro confronto de Cristiano Ronaldo frente ao Inter Milão. Além do jogo de estreia pelo Sporting, em 2002, defrontou por duas vezes o clube italiano na época 2008/09, pelo Manchester United, numa eliminatória dos quartos-de-final da Liga dos Campeões. No jogo da primeira mão, a 24 de fevereiro de 2009, em Itália, o jogo terminou sem golos - na altura os italianos eram orientados por José Mourinho. 15 dias depois, em Old Trafford, o United bateu os italianos por 2-0, com Ronaldo a marcar o segundo golos dos ingleses que ajudou a carimbar o passaporte para as meias-finais da prova. Nessa temporada, o Manchester United eliminou depois o Arsenal nas meias-finais, mas acabaria por perder a final diante do Barcelona, por 2-0.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.