Ronaldo. 50 minutos em tribunal para reconhecer fraude fiscal

Internacional português chegou esta terça-feira ao Tribunal de Madrid acompanhado pela namorada Georgina Rodríguez, para ser julgado por fraude fiscal

Cristiano Ronaldo chegou esta terça-feira a acordo com o Ministério Público espanhol para ser condenado a 23 meses de prisão - que não terá de cumprir porque a Justiça espanhola não aplica penas inferiores a 24 meses quando os acusados não têm antecedentes judiciais - e uma multa de 18,8 milhões de euros por defraudar o fisco espanhol em 5,7 milhões de euros.

O internacional português reconheceu no Tribunal de Madrid que cometeu quatro crimes fiscais entre 2010 e 2014, quando representava o Real Madrid, por ter defraudado o fisco, num julgamento que durou apenas cerca de 50 minutos. No fundo, CR7 foi cumprir uma formalidade.

Ronaldo chegou ao tribunal de mão dada com a namorada Georgina Rodríguez, pouco depois das 9.30 locais (menos uma hora em Lisboa).

O jogador português tinha solicitado aos juízes que fosse autorizada a sua entrada pela garagem do edifício por razões de segurança, mas o tribunal disse que, apesar da notoriedade do futebolista da Juventus, não existe risco, razão pela qual Ronaldo teve de entrar nas instalações a pé.

Ronaldo foi intimado a comparecer na Audiência Provincial de Madrid para formalizar o acordo que estabeleceu com a Autoridade Tributária espanhola, no qual admite ter cometido quatro delitos fiscais, pelos quais teria de cumprir dois anos de prisão além do pagamento de 18,8 milhões de euros pela tributação dos seus direitos de imagem de quando era jogador do Real Madrid.

Este acordo permite fechar o processo judicial aberto contra o avançado madeirense por ter fugido ao pagamento de impostos de rendimentos recebidos sobre os direitos de imagem em Espanha, quando jogava no Real Madrid.

Na noite de segunda-feira, o avançado madeirense alinhou durante os 90 minutos do encontro entre a Juventus, heptacampeã e líder do campeonato italiano, e o Chievo, lanterna-vermelha, em Turim, onde a formação da casa venceu por 3-0, apesar de Ronaldo ter desperdiçado uma grande penalidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.