Ronaldo. 50 minutos em tribunal para reconhecer fraude fiscal

Internacional português chegou esta terça-feira ao Tribunal de Madrid acompanhado pela namorada Georgina Rodríguez, para ser julgado por fraude fiscal

Cristiano Ronaldo chegou esta terça-feira a acordo com o Ministério Público espanhol para ser condenado a 23 meses de prisão - que não terá de cumprir porque a Justiça espanhola não aplica penas inferiores a 24 meses quando os acusados não têm antecedentes judiciais - e uma multa de 18,8 milhões de euros por defraudar o fisco espanhol em 5,7 milhões de euros.

O internacional português reconheceu no Tribunal de Madrid que cometeu quatro crimes fiscais entre 2010 e 2014, quando representava o Real Madrid, por ter defraudado o fisco, num julgamento que durou apenas cerca de 50 minutos. No fundo, CR7 foi cumprir uma formalidade.

Ronaldo chegou ao tribunal de mão dada com a namorada Georgina Rodríguez, pouco depois das 9.30 locais (menos uma hora em Lisboa).

O jogador português tinha solicitado aos juízes que fosse autorizada a sua entrada pela garagem do edifício por razões de segurança, mas o tribunal disse que, apesar da notoriedade do futebolista da Juventus, não existe risco, razão pela qual Ronaldo teve de entrar nas instalações a pé.

Ronaldo foi intimado a comparecer na Audiência Provincial de Madrid para formalizar o acordo que estabeleceu com a Autoridade Tributária espanhola, no qual admite ter cometido quatro delitos fiscais, pelos quais teria de cumprir dois anos de prisão além do pagamento de 18,8 milhões de euros pela tributação dos seus direitos de imagem de quando era jogador do Real Madrid.

Este acordo permite fechar o processo judicial aberto contra o avançado madeirense por ter fugido ao pagamento de impostos de rendimentos recebidos sobre os direitos de imagem em Espanha, quando jogava no Real Madrid.

Na noite de segunda-feira, o avançado madeirense alinhou durante os 90 minutos do encontro entre a Juventus, heptacampeã e líder do campeonato italiano, e o Chievo, lanterna-vermelha, em Turim, onde a formação da casa venceu por 3-0, apesar de Ronaldo ter desperdiçado uma grande penalidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.