Ronaldo aterrou em Turim e teve escolta à medida de uma estrela

Internacional português tinha seis carros e muita segurança à sua espera. Saiu com a filha mais nova ao colo e ainda acenou para cerca de meia centena de adeptos.

Cristiano Ronaldo aterrou ao início da noite deste domingo em Turim. Apesar de não ter havido grande aparato a nível de adeptos - eram cerca de 40 -, a segurança não foi descurada. De acordo com o jornal Gazzetta dello Sport, o internacional português tinha seis carros à sua espera, além de seguranças e guarda-costas. CR7, com a filha mais nova ao colo, ainda acenou para os adeptos, depois entrou num dos carros e, aparentemente, seguiu para a sua nova casa numa colina de Turim.

Ronaldo vai começar a trabalhar nesta segunda-feira, apesar de praticamente toda a equipa da Juventus estar nos Estados Unidos, em digressão. O internacional português terá a companhia de outros mundialistas nesta manhã no centro de treinos da Juventus, casos de Higuaín, Dybala, Cuadrado, Douglas Costa e Bentancur.

A equipa da Juventus só regressa a Turim no dia 6 de agosto e para o dia 8 está agendado o primeiro treino de Cristiano Ronaldo com toda a equipa. A estreia do internacional português está marcada para dia 12 de agosto, num particular diante de uma formação secundária da Juventus.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?