Ronaldo aterrou em Turim e teve escolta à medida de uma estrela

Internacional português tinha seis carros e muita segurança à sua espera. Saiu com a filha mais nova ao colo e ainda acenou para cerca de meia centena de adeptos.

Cristiano Ronaldo aterrou ao início da noite deste domingo em Turim. Apesar de não ter havido grande aparato a nível de adeptos - eram cerca de 40 -, a segurança não foi descurada. De acordo com o jornal Gazzetta dello Sport, o internacional português tinha seis carros à sua espera, além de seguranças e guarda-costas. CR7, com a filha mais nova ao colo, ainda acenou para os adeptos, depois entrou num dos carros e, aparentemente, seguiu para a sua nova casa numa colina de Turim.

Ronaldo vai começar a trabalhar nesta segunda-feira, apesar de praticamente toda a equipa da Juventus estar nos Estados Unidos, em digressão. O internacional português terá a companhia de outros mundialistas nesta manhã no centro de treinos da Juventus, casos de Higuaín, Dybala, Cuadrado, Douglas Costa e Bentancur.

A equipa da Juventus só regressa a Turim no dia 6 de agosto e para o dia 8 está agendado o primeiro treino de Cristiano Ronaldo com toda a equipa. A estreia do internacional português está marcada para dia 12 de agosto, num particular diante de uma formação secundária da Juventus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.