Roger quem? Segurança obriga Federer a mostrar credencial (com vídeo)

Tenista suíço, vencedor de 20 Grand Slams, esperou pacientemente por um membro da sua equipa até poder entrar

Roger Federer pode ser, para muitos, o melhor tenista da história, mas ainda consegue passar despercebido em algumas ocasiões. Mesmo num torneio de ténis. E em pleno Open da Austrália, primeiro Grand Slam da temporada, onde o suíço aparece como defensor do troféu conquistado nas duas últimas edições.

Este sábado, após um treino num dos courts do torneio australiano, Federer regressava ao balneário quando o zeloso segurança de serviço lhe apontou a falta da credencial. Afinal de contas, regras são regras. Mesmo para o único homem a ter ganho 20 torneios do Grand Slam na história do ténis.

O tenista suíço, de 37 anos, esperou pacientemente à porta até à chegada de um dos membros do seu staff técnico, que trazia o documento de identificação que todos os participantes no torneio devem trazer ao pescoço.

Federer vai continuar este domingo a sua campanha em busca de um sétimo título em Melbourne, defrontando o grego Stefanos Tsitsipas na quarta ronda.

O atual n.º 3 do mundo não foi, no entanto, o único tenista famoso barrado por um segurança nesta edição do Open da Austrália. Também a russa Maria Sharapova já tinha passado pelo mesmo. Em Melbourne Park, as regras de segurança são levadas a sério.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.