Roger Federer eliminado em Wimbledon

Tenista suíço surpreendido nos quartos-de-final pelo sul-africano Kevin Anderson, em cinco sets

Grande surpresa em Wimbledon com a derrota de Roger Federer, o campeão em título e recordista de vitórias (oito) no torneio de relva do Grand Slam, que foi eliminado pelo sul-africano Kevin Anderson ao fim de mais de quatro horas de uma partida épica (2-6,6-7,7-6,6-4 e 13-11).

Federer parecia rapidamente encaminhado para chegar às meias-finais, depois de ter vencido os dois primeiros sets (6-2 e 7-6) e igualado o seu recorde de sets consecutivos ganhos em Wimbledon (34). A isso acrescentou ainda um match-point para fechar o encontro, no terceiro set, quando liderava por 5-4.

Mas então deu-se o inesperado, com uma reviravolta extraordinária de Kevin Anderson, que até esta quarta-feira não tinha ganho sequer qualquer set a Roger Federer. O sul-africano, de 32 anos, venceu esse terceiro set por 7-6 e arrancou para a mais extraordinária vitória da carreira, ganhando também os seguintes por 6-4 e 13-11.

Esta é apenas a terceira vez em 269 encontros de torneios do Grand Slam que Roger Federer desperdiça uma vantagem de dois sets a zero. O atual n.º 2 mundial não era eliminado antes das meias-finais desde 2013, quando então perdeu na segunda ronda face ao ucraniano Stakhovsky.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.