Mancini: "Portugal permanece muito forte sem Ronaldo"

O selecionador de Itália relativizou este domingo a ausência do avançado da Juventus na seleção portuguesa para o jogo desta segunda-feira, que marca a estreia dos campeões europeus na Liga das Nações.

"Portugal é campeão da Europa. Com Ronaldo é, com certeza, uma equipa mais forte, mas mesmo sem ele tem grandes jogadores, com muita qualidade técnica. Mais tarde ou mais cedo, Ronaldo vai deixar de jogar -- e espero que seja tarde -, mas é normal que haja testes e se jogue sem Ronaldo. Portugal permanece uma equipa muito forte", afirmou.

Na conferência de imprensa realizada no Estádio da Luz, em Lisboa, o técnico transalpino, de 53 anos, reiterou a ideia de a equipa comandada por Fernando Santos mantém a mesma filosofia e os mesmos princípios sem o seu capitão. Com o jogo com a Croácia como exemplo, Mancini destacou Bruma e o maior perigo que pode surgir em transições rápidas.

"Vimos o jogo com a Croácia e muitos dos jogadores já estiveram no Mundial 2018. Conheço bem Bruma do tempo no Galatasaray e a equipa não muda muito na identidade. É claro que com Bruma a avançado pode tornar-se mais perigoso no contra-ataque", frisou.

Após o empate (1-1) de sexta-feira com a Polónia na abertura do grupo 3 da Liga A, Mancini foi confrontado pelos jornalistas com algumas críticas à atuação da squadra azzurra e admitiu a existência de "erros", mas garantiu sentir-se "positivo" com a prestação da equipa.

"Não me sinto tão negativo em relação ao jogo e aos erros. Se tivéssemos feito muitos erros eu seria o primeiro a reconhecer. Precisamos de criar mais oportunidades no ataque e ter mais homens para fazer golos. Precisamos também de tempo, mas a atitude é o mais importante", vincou, complementando: "É preciso ter paciência, mas a paciência em Itália não existe".

Por outro lado, o selecionador italiano reconheceu que vai efetuar mudanças no onze devido ao desgaste do embate com os polacos e ao pouco tempo de descanso, sem deixar de expressar ambição numa boa campanha na prova.

"Queremos jogar bem e chegar ao Campeonato da Europa como primeiro do grupo. A Liga das Nações também faz parte disso, vamos ter jogos importantes e também precisamos destes jogos para fazer testes. Não queremos ficar em terceiro", rematou.

Já o avançado Ciro Immobile, de 28 anos, que não participou na partida com a Polónia, esteve ao lado do selecionador na conferência para defender a importância de uma atitude competitiva forte perante a seleção portuguesa.

"Vamos defrontar uma grande seleção. Vai ser um jogo difícil, mas estamos bem preparados, foi uma preparação breve, mas boa. O importante é a garra e a determinação para jogar bem. A harmonia com os outros colegas só existe quando te empenhas ao máximo", declarou o futebolista da Lazio.

O jogo entre Portugal e Itália, referente ao Grupo 3 da Liga A da Liga das Nações, está marcado para segunda-feira, às 19.45, no Estádio da Luz, e terá a arbitragem do escocês William Collum.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.