Rio Ave e Portimonense animaram último dia de mercado

Fábio Coentrão e Jackson contratados por vilacondenses e algarvios. Peseiro não teve o avançado que pretendia e foi criticado por Matheus Pereira. No Benfica a novidade foi a inscrição de Taarabt e no FC Porto a oficialização de Bazoer

Terminou o mercado de verão da época 2018/2019 e neste último dia os grandes animadores foram... o Portimonense e o Rio Ave. Os algarvios no dia em que apresentaram seis reforços - João Carlos (Fluminense), Luís Henrique (Ferroviária de Araraquara), Matheus de Jesus (Gamba Osaka), Lucas Fernandes e Paulinho Bóia (ambos ex-São Paulo) e Jubal (Arouca) - e confirmaram uma das grandes sensações do fecho de mercado. Nada mais nada menos do que Jackson Martínez que está parado há quase ano e meio e que será apresentado na próxima semana. Hoje com 31 anos vamos ver que tipo de rendimento terá o colombiano.

O Rio Ave também superou as expetativas ao apresentar Fábio Coentrão que teve a honestidade de dizer que esteve até à última hora à espera de um contacto do Sporting... que não apareceu.

Em Alvalade não surgiu o tal avançado que Sousa Cintra anunciou na passada semana. Os leões emprestaram Matheus Pereira ao Nuremberga, Ryan Gauld e Pedro Delgado ao Farense e Mattheus Oliveira ao V. Guimarães, clube onde tinha estado na passada temporada, também por empréstimo. O pior deste dia foi, para além do falhanço na aquisição do avançado, as críticas de Matheus Pereira no twitter, a mesma rede social utilizada quando atacou Peseiro por ter ficado na bancada em Moreira de Cónegos. "Por tudo o que fiz na última época e pelo que fiz no estágio merecia pelo menos uma oportunidade. No entanto nem sequer fui chamado. Tive que assistir na bancada. Não quis desrespeitar os meus companheiros, nem a instituição no meu tweet. Na verdade quem foi desrespeitado fui eu. Não tenho mágoas desta gigantesca instituição e torço por eles na temporada."

Jogadores como Petrovic e Castaignos, ambos na convocatória para o jogo com o Feirense, não foram colocados e constituem um peso salarial considerável.

Na Luz o Benfica falhou a colocação de Bruno Varela e Samaris, que está a um ano de sair a custo zero, mas anunciou a renovação de Gedson que tem agora a cláusula de rescisão mais alta do futebol português (120 milhões de euros). O clube da Luz inscreveu, com surpresa, Taarabt, que Luís Filipe Vieira garantiu há dois anos que não voltaria a vestir a camisola do Benfica. Os encarnados enviaram ainda para a Vila das Aves o lateral Milos e o guarda-redes André Ferreira.
O FC Porto reintegrou o espanhol Bueno, oficializou o médio holandês Bazoer, que chega do Wolfsburgo e fica com uma opção de compra no valor de nove milhões de euros. O lateral Jorge, emprestado pelo Mónaco, também foi inscrito e ao início da tarde esperava-se que José Sá assinasse, em definitivo, pelo Olympiacos de Pedro Martins mas ainda se aguarda uma confirmação

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.