Ricciardi: "Venho para ganhar. Estou-me nas tintas para que me achem croquete"

Banqueiro anuncia candidatura ao Sporting e manifesta total apoio ao atual técnico. E quer reatar relações com todos os clubes, incluindo o Benfica.

José Maria Ricciardi confirmou neste domingo à noite, em entrevista à CMTV, que é candidato ao Sporting porque, no entendimento deste banqueiro, "nenhuma das outras candidaturas reúne as condições suficientes" para ser presidente do clube. "Venho para ganhar" as eleições, disse. E conta com José Peseiro para seu treinador. "Como é óbvio", apontou.

O novo candidato recusou que seja chamado de "croquete", pela sua posição social. "Estou-me nas tintas para que me achem croquete", atirou. "Não entro nesse jogo de pastelaria, de croquetes." E recordou que "os últimos dois presidentes a conseguir ser campeões foram croquetes", referindo-se a José Roquette e a Dias da Cunha. "E o fundador, que é meu tio-avô, também foi um croquete. Tudo isso é ridículo."

O técnico do Sporting, José Peseiro, contratado já com esta comissão de gestão em funções, tem o seu futuro assegurado se Ricciardi for eleito. "É o meu treinador inequivocamente e terá todo o meu apoio." Ricciardi fugiu a responder se iria buscar o seu amigo Jorge Jesus, num futuro próximo, respondendo no presente. "Para mim, agora, o melhor treinador do mundo chama-se José Peseiro."

"É o meu treinador inequivocamente e terá todo o meu apoio."

É o nono candidato conhecido, apesar de subsistir a dúvida sobre a presença de Carlos Vieira e Bruno de Carvalho no boletim de voto.

"Sou candidato", atirou, recusando que haja gente a mais no Sporting a concorrer. "Não me impressiona o número de candidatos". "Todos os sócios têm legitimidade" de se candidatarem, considerou, mas quando a jornalista referiu o nome de Bruno de Carvalho, Ricciardi corrigiu a sua frase: "Estou a falar daqueles que têm legitimidade" e explicou que os sócios destituíram "por justa causa", por 72% numa assembleia geral recente, a direção de Bruno de Carvalho (incluindo Carlos Vieira).

Sobre a sua candidatura, insistiu que esta "é transversal", "com gente que já deu mostras na sua capacidade de gerir" os destinos do clube, "numa situação tão difícil como esta".

Deixando elogios a Sousa Cintra, presidente da SAD, à comissão de gestão e à Mesa da Assembleia Geral, referindo o "trabalho notável" de Jaime Marta Soares, Ricciardi falou da necessidade de "pacificar" o futebol português. "Irei restabelecer todas as relações com todos os clubes da I Liga e da II Liga, incluindo o Benfica", afirmou.

Sem prometer o título no futebol, "não se ganham campeonatos por decreto", disse, insistiu que "se for eleito" vão "acabar-se os insultos" contra os outros clubes e agentes do desporto. "Tudo o que farei é que o Sporting lute pelo título e ganhe o título, mas garantir que o ganho, não o farei."

Ricciardi invocou o seu passado para melhor apresentar pergaminhos. "Nunca pertenci a nenhuma direção, nunca tive cargos, nunca fui presidente-sombra. E se acham que era presidente-sombra, agora passarei a ser às claras."

Até este momento são já nove os candidatos às eleições de 8 de setembro: José Maria Ricciardi junta-se a Frederico Varandas, Pedro Madeira Rodrigues, Fernando Tavares Pereira, João Benedito, Zeferino Boal, Dias Ferreira, Carlos Vieira e Bruno de Carvalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.