Renato Sanches: "Quero singrar no Bayern e sinto que cheguei a esse ponto"

Jogador deu entrevista e revelou estar mais "maduro" e pronto para jogar nos bávaros, depois de dois anos pouco felizes em Inglaterra.

Renato Sanches está a dar que falar durante o estágio de pré-época do Bayern Munique. O médio português está de regresso ao clube bávaro, depois do empréstimo ao Swansea, na temporada passada, e quer ficar. "Agora, tenho muito mais autoconfiança e penso que posso voltar mais forte, com a experiência que tive. É esse o meu objetivo, quero singrar no Bayern e sinto que cheguei a esse ponto", disse o português, numa entrevista ao portal desportivo alemão Sport1.

Tem contrato com o Bayern até 2021 e tenciona cumpri-lo. Os últimos dois anos não foram fáceis para o ex-Benfica, mas o médio prefere olhar para o que correr mal como experiências que o ajudaram a amadurecer.

"A concorrência é excelente", mas Renato acredita que Niko Kovac, um treinador que "sabe como abordar cada jogador", lhe dará oportunidade para ficar no plantel e jogar: "Sou um transportador de bola que consegue abrir espaços no meio-campo através de situações de um para um, uma qualidade que outros podem não ter. Espero poder ajudar o clube com as minhas qualidades."

Para já tem brilhado na pré-época e já marcou um golo de livre que valeu o triunfo dos bávaros frente ao PSG, nesta semana, e o treinador não poupou nos elogios: "Eu estou feliz pelo Renato [Sanches], que não teve uma boa fase em Munique antes. Vi no primeiro dia que ele tinha uma boa linguagem corporal. Tem muita qualidade e sabe do que é capaz. Se tiver a confiança necessária, pode jogar muito bem."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.