Vítor Oliveira campeão pela sexta vez e revela próximo clube

Paços de Ferreira garante primeiro lugar após vitória em casa sobre o Cova da Piedade (2-0), na última jornada do campeonato e treinador segue para o Gil Vicente, na I Liga. Arouca cai para o Campeonato de Portugal

O Paços de Ferreira e Vítor Oliveira colocaram este domingo a cereja no topo do bolo. Quase um mês depois de ter sido assegurado o regresso à I Liga, os pacenses sagraram-se campeões da II Liga e o treinador de 65 anos juntou o sexto título à 11.ª subida de divisão.

Os nortenhos juntaram o título desta época aos conquistados em 1990/91, o primeiro desde que a prova passou a ser denominada Liga de Honra e depois II Liga, 1999/2000 e 2004/05.

"Campeões, nós somos campeões" foi o grito de guerra dos adeptos castores nos últimos minutos do jogo da consagração, em que a equipa da Capital do Móvel bateu em casa o Cova da Piedade por 2-0, com golos de Douglas Tanque (45 minutos) e Bruno Santos (54').

Curiosamente, Vítor Oliveira volta a ser campeão pela primeira equipa que fez subir e ganhar o título, na temporada 1990-91. Pelo meio, ganhou a prova por União de Leiria (1997-98), Leixões (2006-07), Moreirense (2013-14) e Portimonense (2016-17) e promoveu Académica (1996-97), Belenenses (1998-99), Arouca (2012-13), União da Madeira (2014-15) e Desportivo de Chaves (2015-16).

Embora seja na II Liga que se sente como peixe na água, preferindo quase sempre continuar no segundo escalão depois de promover uma equipa, na próxima temporada vai regressar à elite do futebol português. "Vou ser treinador do Gil Vicente. Se me perguntarem se é um desafio absolutamente difícil, não tenho a mínima dúvida. É o projeto mais difícil na próxima temporada, mas também é aliciante", afirmou na conferência de imprensa que se seguiu ao jogo, depois de inicialmente ter dito que só anunciaria o próximo destino na segunda-feira. "O Gil Vicente é um clube que me diz muito, já lá estive duas vezes. Resolvi aceitar esta proposta de bom grado e a partir de amanhã vou pensar na equipa do Gil Vicente porque temos muito trabalho pela frente", acrescentou.

Quando em 1985 decidiu iniciar a carreira de treinador, Vítor Oliveira impôs a si mesmo uma única condição relacionada com aspetos familiares: não treinar o Leixões, o clube da terra onde nasceu, enquanto o pai fosse vivo. O motivo era simples: o pai era um pescador (e a mãe peixeira) conhecido em Matosinhos, e não queria sujeitá-lo a comentários infelizes por parte das pessoas da terra.

Arouca da Europa ao Campeonato de Portugal em três anos

Menos de três anos depois de ter feito vida difícil ao Olympiacos numa pré-eliminatória da Liga Europa, o Arouca cai para os campeonatos não profissionais. O clube do distrito de Aveiro tinha descido à II Liga em 2017 e após duas épocas no segundo escalão acabou por voltar a ser despromovido, desta vez ao Campeonato de Portugal, onde já não competia desde 2009/10, na altura ainda designado por II Divisão B.

Os arouquenses saíram derrotados do dérbi regional com o Oliveirense (1-2), em Aveiro, e caíram para a zona de despromoção devido à vitória do Varzim sobre a Académica na Póvoa (1-0). De nada valeram os 40 pontos somados em 34 jornadas, pontuação que na I Liga dava para ser 11.º.

Também em perigo nesta última jornada estavam Mafra, Oliveirense e Farense, que assim vão continuar pelo menos mais uma época na II Liga.

Ler mais

Exclusivos