Real Madrid volta a dominar seleção espanhola. E os resultados estão à vista

A Espanha de Luis Enrique goleou (6-0) a vice-campeã mundial Croácia com seis jogadores do Real Madrid a titulares. Longe vão os tempos em que o Barcelona era a equipa mais representada

Esta Espanha mete medo. Os dois primeiros jogos sob a orientação de Luis Enrique terminaram com duas vitórias sobre seleções poderosas e exibições de luxo - triunfo por 2-1 diante da Inglaterra num particular e uma goleada das antigas, na terça-feira, por 6-0, frente à vice-campeã mundial Croácia, na Liga das Nações.

Mas afinal o que mudou nesta Espanha? Logo à partida a atitude e um dado muito curioso: diante da Croácia estiveram seis jogadores do Real Madrid no onze titular (Carvajal, Sergio Ramos, Nacho Isco, Marco Asensio e o estreante Dani Ceballos), algo que já não acontecia há 16 anos. O único representante do Barcelona foi o médio Sergio Busquets - saiu aos 59' e deixou durante cerca de meia hora a Roja sem jogadores do Barcelona.

A influência do Barcelona na seleção espanhola tem vindo a desaparecer ano após ano e nota-se mais agora na era Luis Enrique com as saídas de cena de Iniesta e Piqué, que decidiram deixar de representar a equipa. A Espanha vive assim uma inversão a este nível, quando comparada com a seleção que se sagrou campeã da Europa (2008 e 2012) e mundial (2010).

Na final do Mundial da África do Sul, em 2010, a seleção que na altura era orientada por Del Bosque, curiosamente um símbolo do Real Madrid, tinha uma forte presença de jogadores do Barcelona - Puyol, Piqué, Busquets, Xavi, Iniesta, Pedro e David Villa. Durante o ano de 2013 o domínio do clube catalão atingiu recordes, com sete jogadores do Barça a serem titulares num particular diante do Uruguai (chegaram a ser nove jogadores utilizados durante o jogo).

Nesses anos dourados da seleção espanhola, a armada do Real Madrid resumia-se basicamente à presença de três jogadores - Iker Casillas, Sergio Ramos e Xabi Alonso. Muito por culpa da política da equipa merengue, que pouca atenção dava à cantera preferindo contratar craques estrangeiros.

De então para cá esta tendência foi-se alterando, fruto também da aposta do Real Madrid em jogadores da casa. Isco, Carvajal, Nacho, Asensio e Lucas Vázquez começaram a ser chamados com regularidade e no Mundial da Rússia, que começou sob a orientação de Julen Lopetegui, os merengues tinham já seis jogadores entre os 23 convocados.

Na primeira convocatória de Luis Enrique, elaborada a 31 de agosto, a diferença ficou bem acentuada: seis jogadores do Real Madrid (Carvajal, Sergio Ramos, Nacho, Ceballos, isco e Asensio) e apenas dois do Barcelona (Busquets e Sergi Roberto). E todos os jogadores dos merengues foram titulares diante da Croácia.

A última vez que seis jogadores do Real Madrid tinham sido titulares ao mesmo tempo remonta ao ano de 2002, num jogo diante da Irlanda do Norte, a contar para o apuramento do Euro 2004. Nesse dia, o selecionador Del Bosque colocou em campo Iker Casillas, Michel Salgado, Iván Helguera, Raúl Bravo, Guti e Raúl, numa partida que a Espanha venceu por 3-0.

Luis Enrique, que enquanto jogador representou o Real Madrid e o Barcelona, mas que tem um passado muito mais ligado ao clube catalão, foi questionado sobre esta predominância de jogadores merengues na seleção após o jogo com a Croácia. Eis a resposta. "Nem sabia, nem me interessa. São jogadores da seleção espanhola, nada mais. Aqui não são de uma ou outra equipa. A base é o Real Madrid e parece-me bem. Só vejo uma camisola: a da seleção espanhola."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.