Real Madrid (re) compra Mariano Díaz por 21,5 milhões de euros

Avançado dominicano saiu há um ano do Bernabéu rumo ao Lyon a troco de oito milhões de euros, regressa agora, depois de Lopetegui o ter convencido, perante o assédio do Sevilha. Escolherá o 15 ou o 7 que foi de Cristiano Ronaldo?

Mariano Díaz volta a ser futebolista do Real Madrid após um ano ao serviço do Lyon, clube pelo qual marcou 21 golos em 44 encontros.

Há um ano os gauleses pagaram oito milhões de euros mas os merengues, como já tinha feito com Carvajal, colocaram uma cláusula de recompra. E assim, passado um ano, depositaram 21 milhões de euros na conta bancária do Lyon, que fica ainda com 15% de uma mais valia de uma transferência futura.

O dominicano assina por cinco temporadas depois de um processo em que esteve com pé e meio no Sevilha, que lhe garantia minutos de utilização. Então aí entrou em cena o treinador do Real Madrid, Julen Lopetegui, absolutamente crucial ao convencer o avançado a regressar ao Bernabéu, onde esteve de 2012 até à época passada.

Resta saber que número Mariano Díaz vai escolher; o 15 ou o 7 que nas últimas nove temporadas pertenceu a um tal de Cristiano Ronaldo?

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.