Real Madrid atento às contas do PSG... por causa de Neymar e Mbappé

Fair play financeiro pode atrapalhar e muito a vida do clube parisiense. A confirmar-se a venda de uma das estrelas do PSG, os madrilenos preferem Neymar e franceses preferem ficar com Mbappé

O Real Madrid está de olhos postos no fair play financeiro e no PSG... por causa de Neymar e Mbappé. Isto porque o futuro dos dois principais craques da equipa parisiense pode estar em causa devido às investigações da UEFA às finanças do clube francês.

A confirmar-se a situação e castigos graves o PSG não descarta vender uma das estrelas e, segundo o As, o Real Madrid está bem atento à situação, sendo que quer Neymar, quer Mbappé, têm sido associados aos merengues desde há algum tempo. A saída de Cristiano Ronaldo deixou o plantel madrileno órfão de uma grande figura e Florentino Pérez quererá preencher essa lacuna.

Neymar deverá ser a primeira opção e, segundo o jornal espanhol, até foi tentado no verão pelo Real Madrid, mas sem sucesso. Além disso, Tamim bin Hamad al-Thani, dono do PSG, prefere nesta altura ficar com Mbappé, pelos números e pelas exibições, sendo nesta altura a figura da equipa e o "menino bonito" dos adeptos. A confirmar-se uma transferência, as prioridades devem aqui ser iguais, com o PSG a conseguir manter o jogador em destaque, e o Real Madrid a conseguir um jogador que, inclusivamente, já foi do Barcelona.

Revisão às contas pode tirar Champions ao PSG

O L'Equipe enumera esta quarta-feira as várias situações em causa, entre as quais as revisões dos valores dos contratos de patrocínios do PSG, mas também uma revisão minuciosa das aquisições de Mbappé (180 milhões de euros) e Neymar (222).

A Câmara de Investigação do Comité de Controlo Financeiro de Clubes (CFCB) reviu alguns valores e, só tendo em conta a época de 2016/2017 e o principal patrocinador, a Qatar Tourism Authority (QTA), as perdas são de 84 milhões de euros, excedendo o limite de défice anual de 30 milhões para ser cumprido o fair play financeiro. E sendo o clube reincidente, depois de um castigo em 2014, um castigo mais severo poderia ser a proibição da participação na Liga dos Campeões. Também poderia acontecer o impedimento de inscrições de jogadores nas competições da UEFA ou a retenção das receitas obtidas em competições do órgão que tutela o futebol europeu.

Além do passado, serão também investigadas as já referidas transferências, a amortização das mesmas e os salários dos jogadores, pelo que, segundo o desportivo francês, o PSG está obrigado a, com o contrato com a QTA a terminar em junho de 2019, a encontrar receitas anuais de 150 milhões de euros para balançar as contas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.