O grande golo de James Rodríguez na vitória da Colômbia sobre os EUA

Ex-jogador do FC Porto abriu o marcador no triunfo colombiano por 4-2, enquanto Raúl Jiménez, avançado emprestado pelo Benfica ao Wolverhampton deu a vitória ao México frente à Costa Rica

Num jogo particular disputado no sul da Florida, a Colômbia venceu os Estados Unidos, por 4-2, num jogo em que o ex-portista James Rodríguez abriu o marcador, aos 36 minutos, com um remate em arco, em zona lateral no limite da grande área.

Ao golo do médio do Bayern Munique, responderam os Estados Unidos, por intermédio de Sief (50 minutos) e Bobby Wood (53), mas Carlos Bacca (56), Falcao, também ex-jogador do FC Porto, (74) e Miguel Borja (79) deram a vitória aos visitantes.

No México, em jogo disputado em San Nicolás de los Garza, a Costa Rica esteve por duas vezes em vantagem, com golos dos ex-sportinguistas Joel Campbell, aos 29 minutos, e Bryan Ruiz, aos 44, mas a seleção da casa deu a volta ao marcador.

Guzman ainda tinha igualado para o México, aos 33, mas foi na segunda parte, um pouco antes da entrada em campo de Raúl Jiménez e de Corona, extremo do FC Porto, que os mexicanos voltaram a empatar o jogo, por Henry Martin, aos 56.

Raúl Jiménez, avançado do Benfica que tem tido um bom arranque de época nos Wolves, marcou o golo do triunfo mexicano, de grande penalidade, aos 71 minutos, apenas 10 após ter entrado em campo.

Ler mais

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.